27 de abr de 2016

Ouvidor da Administração do Gama foi truculento com senhoras na Ponte Alta

Em um evento com a presença do governador, o ouvidor da Administração do Gama tentou agredir duas senhoras na Ponte Alta

Do Gama
Joaquim Dantas
Para o Blog do Arretadinho

Ao que parece a Administração Regional do Gama, RA II, está à deriva, sem comando e fora de controle. Em um evento, que contou com a presença do governador Rodrigo Rollemberg, na Ponte Alta, zona rural do Gama nesta terça-feira (26), pasmem, o ouvidor da administração da cidade usou de truculência e tentou agredir duas senhoras que exibiam uma faixa em protesto aos buracos nas ruas da região.

O referido cidadão, segundo relatos de pessoas que o conhecem, tem um histórico de agir sempre com truculência com quem discorda de seu grupo político. Um dos relatos é do professor Assis Souza, que afirmou em um grupo do WatsApp que "ninguém nega sua história! E esse senhor tem uma história de maus tratos com pessoas. Ele nunca pareceu entender que funcionário público é para servir ao público. Presenciei outras atitudes dele com o mesmo viés autoritário, truculento e anti-democrático em outras épocas. Agora o mesmo é detentor de um DF-10 e acha que já pode exercer seu autoritarismo rompendo com a liberdade de expressão que conquistamos com muita luta. Vamos exercer nossa cidadania plenamente! E não vamos nos curvar para pseudos autoridades. Por isso temos que garantir a DEMOCRACIA conquistada à custa de muita luta e até de vidas" desabafou o professor sobre o referido cidadão.

Uma líder da Ponte Alta, a Sra Daniela, divulgou uma nota de repúdio sobre o fato, confira:

NOTA DE REPÚDIO 
Ontem (26/04/2016) durante o evento de inauguração da DF 480,  a Sra Salomé e a Sra Malu estavam segurando a faixa que nós moradores da Rua 2 confeccionamos,  o cidadão  ROBINSON CRUSOÉ JOSE DA SILVA, que é Auxiliar Administrativo, matrícula nº 52.436-0, e exerce o Cargo em Comissão, Símbolo DFA-10, de Assessor Técnico, da Gerência de Obras, da Coordenadoria Executiva, da Administração Regional do Gama do Distrito Federal, empurrou e tentou arrancar de forma agressiva a faixa das mãos da Malu,  agredindo-a verbalmente,  não satisfeito de tamanha arrogância,  tentou dar um tapa na Malu, só não agrediu ela e a Salomé porque um morador da nossa rua interveio.  É absurdo um funcionário da Administração do Gama,  partir para agressão a duas Sras...  uma delas foi minha professora...  

Só pra constar o direito a livre manifestação de pensamento é uma garantia constitucionalmente prevista no artigo5º, IV da Constituição Federal de 1988. Ainda o artigo 220, § 2º dispõe que é vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.

O cidadão Robinson Crusoé,  ficou "magoadinho" com as nossas queixas e tentou nos calar...  Sinto muito!  Não funcionou. 

Nós vamos lutar pela exoneração do Robinson Crusoé.  A atitude dele não será esquecida.  Covarde!!!  Testemunhas não faltaram para tamanha covardia com essas duas senhoras. 

COVARDES NÃO PASSARÃO!

Em qualquer circunstância, devemos combater a agressão e a violência contra as mulheres, entretanto, um servidor público, ouvidor da administração do Gama, não deve ser apenas exonerado do cargo público, deve ser submetido aos rigores da Lei.

Entrei em contato com a Sra Marília, da Assessoria de Comunicação da cidade para que se pronunciasse sobre o ocorrido, por telefone ela me falou que a administradora Maria Antônia tinha conhecimento do fato, entretanto, a gestora estava em uma reunião e não poderia se pronunciar sobre a atitude violenta do ouvidor contra as duas mulheres.

Acho lamentável que a administradora do Gama não se posicione publicamente sobre esta atitude deplorável do ouvidor que foi nomeado por ela, não apenas por ela ser uma gestora pública mas, principalmente, por ser mulher e não se manifestar diante de uma agressão contra duas senhoras.

Confira o áudio enviado por uma das vítimas da truculência do ouvidor, enviado para um grupo de uma rede social:

Postar um comentário