17 de mai de 2016

Em discurso de posse, Temer escolhe retórica nazista como lema do golpe

Em seu primeiro discurso após o golpe, Michel Temer defendeu que a frase “Não fale em crise, trabalhe” seja usada em grande campanha de propaganda por todo o País. 
Tal frase utiliza uma lógica retórica que busca culpar “quem fala da crise” pela própria crise, atribuindo-lhe a atitude de “não trabalhar”.

A retórica de buscar culpados é largamente utilizada pelos conservadores da atualidade e por toda a História. É assim quando culpam a vítima pelo estupro. É assim quando culpam a criança por ser arteira. É assim quando culpam o trabalhador pela crise do Capital.

A frase ainda se une ao endeusamento do trabalho, que tem origem em várias mitologias que eram utilizadas para aquietar os escravos e que foram absorvidas pela Igreja Romana com a publicação da  Suma Teológica no Século XIII.

Essa união de culpabilização com endeusamento do trabalho tem um paralelo histórico importante: a propaganda nazista. Um dos exemplos clássicos é a frase arbeit macht frei (o trabalho liberta), que ficou conhecida por ter sido escrita nos portões dos campos de extermínio do Reich.

Assim como faz Temer, os propagandistas do nazismo buscavam jogar a culpa de seu aprisionamento nos próprios presos dos campos de concentração. A frase, em outras palavras, busca dizer: “você não é livre porque não trabalha”, ou “se quer ser libertado, trabalhe”, quando, na verdade, a intenção era a escravização dos melhores trabalhadores e o extermínio dos que não produziam o suficiente.

Apesar de ser a frase mais famosa, está longe de ser a única. Durante toda a existência do NSDAP (o partido nazista), sua propaganda utilizou o mesmo tipo de retórica. Há centenas de exemplos de cartazes de propaganda nazista com frases do tipo arbeit macht freud (o trabalho alegra), arbeit, freiheit, brot (trabalho, liberdade e pão), arbeite du für de sieg (trabalhar para vencer), jedem das seine (cada um na sua, mas usado no sentido de “cada um tem o que merece”) e coisas do tipo.

fonte Livre Pensamento
Postar um comentário