16 de mar de 2015

Por quem marcham os indignados?

Quem está por trás das manifestações do domingo 15 de março?

De Brasília
Joaquim Dantas
Para o Blog do Arretadinho

Há pelo menos 25 anos que a grande mídia do Brasil investe pesado na propaganda de manutenção de governos que privilegiem mais as elites do que a população menos favorecidas, primeiro com Fernando Collor, que não era propriamente um neoliberal mas representava as elites apesar do discurso de "caçador de marajás", em seguida com Fernando Henrique Cardoso à nível de governo federal porque, investiu da mesma forma, na manutenção desses governos nos estados, particularmente em São Paulo e no Maranhão.

Quem nasceu  nos anos 80 não viveu os horrores da ditadura, acompanhou apenas o processo de redemocratização e a debandada das siglas de esquerda que se agrupavam no Movimento Democrático Brasileiro, MDB, que virou um partido político depois. O PMDB surgiu em 15 de janeiro de 1980 após a nova Lei dos Partidos Políticos ter resgatado o pluripartidarismo. A maioria dos que nasceram na década de 80 hoje estão, no mínimo, com 25 anos e absolveram toda propaganda elitista da mídia.

Há alguns anos enveredei pelo caminho de comercializar carne de tartaruga para diversos restaurantes de Brasília, aproveitando a produção legalizada de um assentamento do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, MST, próximo ao Distrito Federal. No começo a maioria dos restaurantes que procurei adquiriram o produto em função do preço vantajoso. Infelizmente ficaram na primeira compra pelo absoluto desinteresse dos seus clientes em consumir aquela iguaria. Não demorou muito tempo para que eu percebesse o motivo da repulsa das pessoas em alimentarem-se dos quelônios. Passamos décadas vendo e ouvindo na mídia "salvem as baleias, protejam as tartarugas" e com isso a maioria das pessoas não nutrem interesse pelo prato, porque desenvolveram uma repulsa natural. Alimentar-se de tartarugas significa ter matá-las antes, o que não combina com protegê-las. Os que hoje indignam-se com a corrupção não vivenciaram os assaltos aos cofres públicos que os militares fizeram com a construção da Rodovia Transamazônica ou na construção da ponte Rio-Niterói, só para citar como exemplo. A corrupção no passado, infinitamente maior e que não era divulgada por ação da censura, não justifica a corrupção infinitamente menor nos dias atuais, qualquer ato de corrupção é deplorável porém, o que os indignados de hoje não percebem por serem analfabetos funcionais, é que hoje os corruptos e os corruptores são presos e o governo não censura a notícia, a mídia tem total liberdade de manipular, deturpar e mentir.

Um dos inúmeros malefícios do projeto neoliberal encontramos na Educação, que estimula a provação do aluno para manter índices estatísticos altos, em detrimento da qualidade do aprendizado, o que fez surgir no país milhões de analfabetos funcionais ao longo dos anos, que limitam a leitura dos fatos à matéria de capa dos jornais e não se prestam a entender o contexto do conteúdo midiático produzido ou, se quer, diferenciar o que é permitido por Lei ou não.

Acompanhando o noticiário televiso e virtual das manifestações deste domingo (15), percebi claramente isso quando deparei-me com a foto de uma jovem nua, em São Paulo, protestando pela volta da ditadura que, se existisse hoje, levaria a desnuda aos cárceres e a submeteria aos ritos da tortura pelo ato de subversão em via pública, fundamentada na Lei de Segurança Nacional.

Outra jovem ao ser entrevistada por uma emissora de TV, declarou que estava na Av. Paulista porque queria que Dilma sofresse o impeachment para que Aécio Neves assumisse o governo. Ao ser informada pelo repórter que, no caso da presidenta sofrer um  impeachment, quem assumiria era o vice Michel Temer, ela fez uma cara de decepção e disparou: "que pena, né? Mas estou cansada desse governo e quero que a Dilma saia, fora PT", disse ela.

Um rapaz vestiu-se com uma fantasia que trazia as bandeiras do Brasil e dos Estados Unidos. A imagem sugere que, na minha opinião, seja feita uma imediata "intervenção psiquiátrica" neste jovem, que não percebe o lobo do imperialismo babando e fungando atrás dele, ansioso para botar as suas garras no pré-sal e tantas outras riquezas nossas.

Mas parece que alguém enxergou algo diferente, o jornal The Guardian notou e publicou na sua edição desta segunda (16):
"Hundreds of thousands of predominantly white, middle-class Brazilians took to the streets on Sunday to demand the impeachment of President Dilma Rousseff, with some also calling for a military coup".

Traduzido pelo Google Tradutor:
"Centenas de milhares de predominantemente brancos , de classe média, os brasileiros foram às ruas no domingo para exigir o impeachment da presidente Dilma Rousseff, com alguns também chamando para um golpe militar."

Os incautos e indignados de domingo deixam-se levar como cordeirinhos para o abatedouro, observem abaixo um vídeo feito pela equipe do PCdoB na Câmara na Rodoviária do Plano Piloto, são três perguntas feitas à trabalhadores e transeuntes: o que é Bolivarianismo, impeachment e comunismo?  No outro vídeo, feito pela Carta Capital em São Paulo, os entrevistados dizem o motivo que os levaram a se juntarem ao protesto. Boa reflexão.




Postar um comentário