9 de mai de 2016

Administração do Gama compra uma tonelada de açúcar

MICHAEL MELO/METRÓPOLES
A quantidade do alimento será usado para abastecer a regional durante um ano. Próxima aquisição está programada para 2016
por Ary Filgueira

Se a falta de recursos do governo tem deixado a vida de muitos administradores regionais amarga, na Administração do Gama a escassez de recursos para tocar obras é combatida com uma tonelada de açúcar. Mesmo diante de tantos problemas na região, como remendo em asfalto, poda de mato, limpeza em terrenos baldios, a chefe do órgão, Maria Antônia, preferiu garantir o cafezinho doce por um ano.

Em julho do ano passado, ela autorizou a compra de 845kg de açúcar para a administração da cidade. A aquisição do alimento em grande quantidade não chega a ser ilegal nem um absurdo. A quantia abastecerá o órgão por um ano – já que o próximo reabastecimento só deve ocorrer no mesmo mês deste ano.

O valor pago pelo alimento também não pode ser considerado um desperdício de dinheiro: R$ 1.061,32. A mesma quantidade, caso fosse adquirida em um supermercado, chegaria a R$ 2.273,05. Além disso, o Metrópoles calculou que, caso todo o produto fosse consumido apenas pelos 131 servidores da regional, os funcionários ingeririam uma porção dentro dos limites estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS), ou seja, abaixo de 25 gramas por dia.

As explicações sobre a compra do alimento, no entanto, não foram suficientes para impedir diferentes reações na cidade quando o assunto foi divulgado nas redes sociais. O morador Joaquim Dantas, 58 anos, acendeu a polêmica ao classificar os servidores da gestão de Maria Antônia como “os mais doces” do governo de Rodrigo Rollemberg, em virtude da quantidade de açúcar comprada.

A moradora Elis Maria alertou para a saúde dos servidores: “A glicemia desse povo deve estar nas nuvens”. Rejane Lemes completou afirmando que era “doçura demais”. Nena Medeiros questionou o valor da compra: “Açúcar tá caro”.

Uma mulher que se identifica como Di Amaral explicou, nas redes sociais, que a compra foi feita para o ano todo e está dentro da normalidade. “Ache a gente um absurdo ou não, é isso que é consumido pelos servidores e pelos cidadãos que visitam a administração. A próxima compra de açúcar será em 2016”, explicou.
Postar um comentário