11 de jan de 2017

Hmib suspende cesarianas

SILAS OLIVEIRA/SINDSAÚDE
Falta de óleo em caldeira suspende cesarianas no Hmib
Com débito a receber do GDF, empresa interrompe fornecimento de óleo para equipamento, afetando lavanderia e centro obstétrico da unidade

O Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib), na 608 Sul, suspendeu a realização de cesarianas. Apenas partos normais estão sendo feitos no local. O motivo, desta vez, é o desabastecimento da caldeira. O problema afeta o funcionamento das lavanderias dessa unidade e do Hospital Regional de Taguatinga (HRT).

As caldeiras são essenciais para lavagem e esterilização das roupas dos hospitais. A Secretaria de Saúde reconhece uma dívida de R$ 1,2 milhão com empresa Papagaio Diesel, responsável pelo abastecimento dos equipamentos. Diz que esse valor se refere aos meses de outubro e novembro, que foram inscritos em restos a pagar e, por isso, não saíram até agora.

O problema é sério e levou os integrantes do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde do DF (SindSaúde-DF) a improvisarem, nesta quarta-feira (11/1), um varal na rua e penduraram as roupas do lado de fora do Hmib, em protesto.

“As roupas estão se acumulando, mas não tem onde secar. Um hospital especializado em partos ter que suspender o serviço por falta de roupa para os pacientes. É um absurdo”, desabafou Marli Rodrigues, presidente do SindSaúde-DF.

Quem chega à unidade da Asa Sul também se depara com o seguinte aviso: “Devido ao desabastecimento de material, o pronto-socorro do centro obstétrico está fechado temporariamente”.

Para agravar ainda mais a situação, os funcionários da limpeza e os vigilantes que atendem as unidades de saúde do DF estão com os serviços paralisados

Hospital do Paranoá
No Hospital Regional do Paranoá, o pronto-socorro teve o atendimento suspenso nesta esta terça-feira (10). O motivo, neste caso, segundo a Secretaria de Saúde, é a superlotação na internação. Mas a situação, ainda de acordo com a pasta, foi normalizada nesta quarta (11).

Os problemas nas três unidades de saúde se somam a outros ocorridos nos últimos meses, como filas na madrugada para conseguir remédios de alto custo; cadáveres e alimentação de doentes sendo transportados no mesmo elevador no Hospital Regional da Asa Norte (Hran); necessidade de mutilar pacientes para que fosse possível fazer cirurgias com o material adequado; falta de água quente para o banho; e até cheiro de corpos se espalhando no ar devido à falta de refrigeração das câmaras mortuárias também no Hran.

Nesta terça (10), o Metrópoles mostrou uma outra denúncia de servidores da rede pública de saúde. Por falta de máscaras, eles estavam usando gaze e esparadrapo para cobrir o rosto durante o atendimento aos pacientes do Hospital Regional de Sobradinho.

Confira relatos sobre a situação do Hmib:






do Portal Metrópoles
Postar um comentário