1 de abr de 2015

Menino negro é expulso da frente de loja

Menino negro é expulso da frente de loja na Oscar Freire, em SP
“Ele não pode vender coisas aqui”, disse a funcionária do estabelecimento ao pai do garoto de 8 anos; caso viralizou nas redes e gerou revolta

Por Redação*

Um relato de racismo ganhou as redes desde que foi postado no Facebook, no último sábado (28). O episódio aconteceu na Rua Oscar Freire – famosa por abrigar diversas marcas de luxo –, em São Paulo.

Junto a seu filho, um menino negro de 8 anos, Jonathan Duran telefonava para sua companheira, que fazia compras em uma loja de sapatos. Estavam parados em frente a outro estabelecimento, da grife Animale, quando uma das vendedoras os expulsou do local e, irritada, disse que o garoto “não poderia vender coisas ali”. O pai, perplexo, respondeu que era seu filho, antes de ir embora.

“Em certos lugares em São Paulo, a pele do seu filho não pode ter a cor errada”, escreveu Duran no post. Até o momento do fechamento desta nota, a publicação já havia sido compartilhada mais de 1.400 vezes.

Em outro texto, posterior à repercussão do primeiro, Duran faz reflexões sobre o fato. “Não importa quantas vezes você lê sobre esses casos de racismo, nada te prepara para o choque quando acontece com seu filho”, disse. “Provavelmente vão dizer que foi um ‘mal-entendido’ (mesmo quando as crianças negras têm o azar dos mal-entendidos sempre acontecerem com elas). No entanto, minha preocupação é quando o ‘mal-entendido’ não é mais com uma vendedora de uma loja, mas com um policial armado”.

Ele também contestou o papel da imprensa tradicional em relação aos episódios de racismo que ganham notoriedade: destacou que “costumam ser de famílias de classe média-alta/classe alta, e/ou onde pelo menos um dos pais é estrangeiro”. “E todos os outros casos que acontecem todos os dias?”, indagou. Ao final, levantou mais uma questão: “Parece piada de mau gosto acontecer justamente numa loja da Oscar Freire. Será que essa rua é o marco zero do apartheid racial em São Paulo?”.
Em nota, a Animale comunicou que repudia qualquer ato de discriminação e está apurando o caso internamente.


My son and I just got kicked out from in front of this store while I was making a phone call because in certain parts of...
Posted by Jonathan Duran on Sábado, 28 de março de 2015
Postar um comentário