2 de mai de 2015

O Gama é o campeão estadual de 2015

Estádio Mané Garrincha Lotado, a maioria, torcedores do Gama
O Gama vence o candangão de 2015 em jogo no Mané Garrincha

Do Gama
Joaquim Dantas
Para o Blog do Arretadinho

Sem ganhar um campeonato estadual há 12 anos, o Gama venceu o Brasília por 1 X 0 no Estádio Mané Garrincha na tarde deste sábado (2) e conquistou o candangão pela 11ª vez. Grampola fez a festa dos torcedores alviverdes que representavam 90% dos quase 25 mil pagantes.

No jogo de ida, o Verdão havia goleado o Brasília, por 3 a 0, e poderia perder até por dois gols de diferença. O Brasília, que teve melhor campanha, não conseguiu marcar no jogo de volta e, como dizia o filósofo de mudubim, quem não faz leva e o Gamão fez o dele aos 47 do segundo tempo.

O jogo foi tenso e em alguns momentos, violento. Durante a partida o juiz desembolsou nove cartões amarelos e três vermelhos. Pelo Gama, foram amarelados Dudu, Baiano, Gusttavo e Zé Augusto. Enquanto isso, no Brasília saíram amarelos para Giba, André, Pedro Ayub, Héverton e Morais. Além do vermelho para Dudu, foram expulsos Rafinha, no Alviverde, e Fernandinho, no Colorado.

A partida  tinha tudo para ser "um passeio" para o Gama. Com a vantagem construída no jogo de ida, por conta da vitória por 3 a 0, o time precisava apenas evitar uma goleada. O que os torcedores gamenses não esperavam é que, aos cinco minutos do primeiro tempo, o zagueiro Dudu receberia dois cartões amarelos e seria expulso.

Com um jogador a mais, o Brasília assumiu o controle do jogo e passou a dar uma pressão violenta no adversário. Apesar do domínio, o time colorado se deparou com uma barreira no gol da equipe do Gama e encontrou muita dificuldade nas finalizações e, para piorar, o Verdão explorou os contra-ataques. 

No segundo tempo, o Gama perdeu a oportunidade de liquidar o jogo logo aos cinco minutos. O veterano Baiano deu uma linda assistência para o meia Hériclis, que na cara do gol chutou fraco, nas mãos do goleiro Arthur. O Brasília não parecia jogar com um jogador a mais e sentiu bastante os primeiros minutos.

Quanto mais o jogo se aproximava do final ficava mais violento, muito em função do nervosismo do time do Brasília e aos 19 minutos do segundo tempo o lateral Rafinha, do Gama, e o meia Fernandinho do Brasília, foram expulsos. O que deixou o jogo ainda mais dramático.

Já no estacionamento do Estádio Bezerrão na cidade do Gama, uma linda festa esperava os jogadores e a torcida, com muitos fogos de artifício e 2.500 litros de chopp de graça. A polícia Militar do Distrito Federal, PM/DF, se preparou para receber cerca de 2 mil pessoas para a festa no estacionamento do estádio, segundo me informou um tenente que não autorizou a divulgação do seu nome.

A Sociedade Esportiva do Gama tem como data oficial de fundação o dia 5 de novembro de 1975, O Gama teve um ótimo período nos anos seguintes a sua fundação, entretanto, amargou nos anos 80 uma grave crise econômica e política. Fundado por um grupo de desportistas que costumava matar o tempo discutindo o futebol amador que fervilhava na cidade nos idos anos 70, o Boteco do Zé, no Setor Central do Gama, foi o palco do ato de fundação do time.

Num domingo de sol, nenhum fundador sabe o dia exato, um dos integrantes do grupo sugeriu a criação de um clube de futebol profissional que representasse a cidade no Campeonato Brasiliense. Os pioneiros, em uma reunião no dia da fundação do clube, lavraram a ata de fundação da Sociedade Esportiva do Gama, SEG, no Centro de Desenvolvimento Social. Entre os pioneiros, constam os nomes de Hermínio Ferreira Neves, Antônio Domingos de Aguiar, Antônio José Gonçalves, Luiz Alberto Brasil de Carvalho, Palmiro Bueno Nogueira Barros, Esmerindo Valeriano da Silva e Otacílio Nascimento de Freitas. Além destes, também existem relatos da participação do pioneiro Jaime do Santos, cujo nome não consta na ata devido ao fato de, na época, ser permitido apenas nomes de pessoas conhecidas na cidade. A SEG é oriunda de um time de futebol da cidade chamado de Mariano.
Postar um comentário