19 de dez de 2015

Crônica de um desastre climático anunciado

Grafite no Jardim Ângela, SP
A mudança climática existe e é grave. Figuras mais ou menos, todas as análises convergem: para evitar continuar aquecendo o planeta com impactos devastadores insta reduzir drasticamente as emissões de gases de efeito estufa (GEE), conseqüência do sistema de produção e consumo de combustíveis fósseis, como petróleo, gás e carvão. 

Por Silvia Ribeiro - La Jornada, México

Os itens que mais emitem gases de efeito estufa são mineração e geração de energia, agro-industrial sistema de incluindo alimentos desmatamento e mudança no uso do solo, construção e transporte.

No entanto, as reduções necessárias e como garantir que os maiores responsáveis ​​(países e empresas) para parar de poluir a atmosfera de cada um e minam o futuro dos nossos filhos e filhas, não está na agenda do próximo encontro mundial sobre o clima a ser realizada em Paris, em dezembro.

Em vez disso, a Conferência das Partes 21 (cop21) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) satisfazer as duas primeiras semanas de dezembro fornece tolera um sistema de ações voluntárias, as contribuições de previdência e certo nível nacional (ou INDC DDIS, por sua sigla em Inglês), sem compromissos vinculativos e supervisão internacional real, legitimando soluções novas tecnologias falsas e perigosas. Passagem vai acabar de enterrar o processo de negociação multilateral para resolver esta crise global.

O precedente para este negócio seguinte, eu não consigo me lembrar (sobre a legalização cada país fazer o que quiser) foi o Protocolo de Kyoto, um acordo internacional vinculativo que estabeleceu que os principais países responsáveis ​​pela maioria dos gases de efeito estufa, reduzido em cinco por cento as suas emissões abaixo do nível de 1990. A emissão total foi, em seguida, 38 giga toneladas equivalente de dióxido de carbono anual (equivalente porque há outros gases de efeito estufa). Estados Unidos, e segundo principal emissor histórico atual, nunca assinou o Protocolo de Quioto e continuou a aumentar as suas emissões. Até 2010, as emissões globais, em vez de para baixo, tinha subido para 50 toneladas giga anualmente. Nesse ano, a China tornou-se o primeiro emissor, agora com 23 por cento do total, seguido por Estados Unidos (EUA), com 15,5 por cento. Mas acumulada, UE é responsável por 27 por cento das emissões desde 1850. Com 5 por cento da população mundial usa 25 por cento das emissões globais de GEE e de energia per capita são mais de 100 mil toneladas por pessoa, enquanto na China Eles são 85 toneladas por pessoa. Note-se que o desenvolvimento atual da China segue o mesmo modelo destrutivo de produção e consumo industrial, com crescentes lacunas de desigualdade interna.

Esta nova realidade de emissões dos países emergentes disse que a principal demanda histórica que todos deveriam reduzi-los embora tivessem emissores nunca fiz. Eles bloquearam uma nova fase do Protocolo de Quioto e aproveitou a oportunidade para minar o princípio de responsabilidades comuns, mas diferenciadas, que tinha sido um pilar da UNFCCC.
Postar um comentário