19 de jan de 2016

16 histórias de Portugal que parecem piada, mas são reais

De burros eles não têm nada. Nós é que falamos outra língua.
Compartilhamos a língua, mas as diferenças são consideráveis. Não estou falando do sotaque ou das palavras parecidas com significados diferentes no Brasil e em Portugal. 

Por Luiz da Janela Lateral

A verdade é que a lógica lusitana é diferente da brasileira e isso gera situações que ficam entre o engraçado e o embaraçoso. O Rafael Capanema compilou alguns bons relatos e publicou no Buzzfeed:
  • Café?, por Nina Paduani
Meus pais e meus tios estão em Lisboa. Vão ao restaurante almoçar. No final, o garçom pergunta: 
—Café? 
Meu pai:
— Um, por favor.
Meu tio: 
— Dois!
Minha tia: 
— Três!
Passam alguns minutos e lá vem o garçom.
Com seis cafés.
Via Facebook: NinaPaduani
  • Como vem o bife?, por Giuliana Miranda Santos
Querendo me informar mais sobre os acompanhamentos de um dos pratos de um restaurante em Alfama, perguntei ao garçom: 
— Mas como vem esse bife aqui?
Ele prontamente me respondeu: 
— Alguém o traz da cozinha!
Via Facebook: rafaelcapanema
  • Leitão à bairrada, por Claudio Eduardo
Uma vez fui a um restaurante de um prato só que servia leitão à bairrada:
— Oi, como é o leitão à bairrada?
— Ora, não sabes o que é um leitão?
— Sim, mas o que é à bairrada?
— A região onde estamos.
Via Facebook: rafaelcapanema
  • Pasteizinhos de Belém, por Raphael Delorme Magalhães
Meu padrasto estava em um ônibus em Portugal com a família e viram em um outdoor escrito algo como “Pasteizinhos de Belém, desde 1920” e uma foto dos pasteizinhos. 
Ele comentou com a família, brincando:
— Olha, gente! Desde 1920!
No que uma senhora portuguesa interrompeu:
— Me perdoem, mas aqueles já foram comidos, chegando lá vão encontrar outros fresquinhos.
Via Facebook: alelex88
  • Me traz aquele, por Nelio Costa
Um cliente estava indeciso sobre o que pedir. Viu um garçom passando com um prato que o agradou e falou para o que o atendia:
— Pode me trazer aquele.
A resposta do garçom: 
— Não será possível porque aquele já é do senhor da mesa ao lado.
Via Facebook: NinaPaduani
  • O prato de Fernando Pessoa, por Oniodi Gregolin
Minha amiga estava almoçando no mesmo restaurante que Fernando Pessoa frequentava assiduamente.
Como ela é formada em letras, com mestrado em literatura, estava mais interessada nas histórias do lugar do que na culinária.
No momento de escolher, chama o garçom e pergunta qual era o prato preferido de Fernando Pessoa. Sem pestanejar, ele responde:
— Já quebrou-se há muito tempo!
  • Um táxi, por Marcelo Negromonte
Estávamos num hotel em Lisboa e descemos pra fumar. Decidi ir até a recepção pra pedir um táxi. Perguntei à funcionária:
— Por favor, você poderia chamar um táxi pra mim?
A funcionária disse que sim, continuou a fazer o que estava fazendo e não chamou o táxi. Daí eu percebi que estava dentro da piada.
Voltei pra fora pra rir um pouco com minha amiga e voltei novamente pra recepção, como se nada tivesse acontecido.
Claro que ela poderia chamar um táxi, não havia nada que a impedisse de fazê-lo.
Daí eu falei:
— Eu preciso de um táxi agora.
E ela:
— Pois não, senhoire.
E ligou pro táxi. 
  • Você sabe?, por Ney Hayashi da Cruz
Um dia em Lisboa eu parei um sujeito na rua e perguntei: “O senhor sabe como chegar no castelo de São Jorge?” Ele respondeu “sei!” e continuou andando.
Via Facebook: rafaelcapanema
  • Foto, por Camila Martins
Meus tios estavam passeando em Portugal e pediram a um senhor:
— Por favor, pode tirar uma foto? 
— Claro!
Foi lá e abraçou a minha tia posando pra foto.
Via Facebook: alelex88
  • Passa no aeroporto?, por Braulio
Eu estava saindo do hotel e perguntei a alguém:
— Esse ônibus parado aí passa no aeroporto?
O cara responde: 
—Não, passa em frente a ele.
  • Me vê dois, por Sofia
Uma vez eu pedi no balcão de uma confeitaria:
— O senhor me vê dois pasteis de Belém?
O cara foi, olhou e não pegou nada.
Eu perguntei: 
— Os meus pastéis de Belém?
E ele: 
— Ah, a senhora quer que eu lhe dê dois pasteis? Porque só me pediu que visse.
  • Londres é aqui?, por Felipe Cortez de Sá
Um dia eu estava no aeroporto em Lisboa e ia pegar uma conexão para Londres.
Perguntei a uma senhora que trabalhava no aeroporto: “Londres é aqui?”.
Ela disse “aqui é Lisboa” e riu.
Via Facebook: alelex88
  • Na mesa, por Danilo Cabral
Fui numa doceria no Porto e perguntei para o garçom: 
— Posso pedir aqui no balcão ou pode sentar na mesa?
Ele:
— Prefiro que você sente na cadeira mesmo.
Via Facebook: rafaelcapanema
  • Aquela caixinha, por Julia Wiltgen
Fui comprar pastéis de Belém no local onde eles são fabricados.
Lugar lotado, balconistas concentrados, atendendo todo mundo super rápido e com muita seriedade.
Os pastéis de Belém vêm (ou pelo menos vinham) numa caixinha sextavada de papelão.
Eu e minha mãe nos aproximamos do balcão e ela pergunta a um dos atendentes:
— Os pastéis de Belém são aquela caixinha?
O balconista responde:
— Não, senhora, é o que tem dentro!
Ele continuou os atendimentos super sério e eu e minha mãe caímos na gargalhada.
Via Facebook: rafaelcapanema
  • Posso estacionar?, por Filipe Teixeira
Num bar no centro histórico de Lisboa, uma brasileira entra e pergunta:
— Posso estacionar aqui na frente?
O balconista responde:
— Claro que pode. Só corre o risco de levar uma multa.
  • Língua, por Marion Coting Braga
Minha tia estava com uma amiga no restaurante. O garçom criou coragem e indagou:
— Que língua estás a falar que estou entendendo tudo?
Via Facebook: rafaelcapanema

Mas qual é a explicação para essas histórias? No post de Alexandre Rosas, Felipe Cortez de Sá escreveu:
  • Eu tive um professor de lógica que estudou por um tempo em Portugal e um dia ele disse à turma que português não é burro, e sim ‘lógico’. Depois que ele disse isso eu passei a ouvir essas histórias pensando de outro jeito. Via Facebook: alelex88
No mesmo post, a portuguesa Inês Azevedo levantou duas hipóteses:
  • Perdoem-me, mas nunca vi nada do gênero em tempo real, parece que só acontece na comunicação entre portugueses e brasileiros. O erro está em pensarmos que somos a mesma língua quando na prática não é bem assim. Também ponho a hipótese de que muitas vezes possa ser o humor português a atacar, é bem irónico e subtil, quando não se está familiarizado com a cultura não se distingue quando é brincadeira ou não. Via Facebook: alelex88
Ana Luisa Prado, também portuguesa, ofereceu seu ponto de vista sobre a história dos cafés:
  • Como portuguesa te digo que considero esta história perfeitamente possível e compreensível. Porque em Portugal não é comum que se faça pedidos dessa forma. Normalmente cada um diz o que quer, o garçom que faz a soma. E a ele não cabe julgar se alguém quer encher-se de café ou não. Ele vai te dar exatamente o que pedires, mesmo que considere teu pedido um tanto estranho. É verdade, somos bem mais literais que os brasileiros! Via Facebook: NinaPaduani
Postar um comentário