25 de mar de 2016

Me arrelampei



Me arrelampei
Joaquim Dantas

Como se tivesse preso em um espelho,
ao silêncio profundo me entrego.
Os rumos de minha vida revejo
enquanto as angústias desprezo...

Resgato o que me revigora
e me deixa pronto para a luta,
pois o meu passado me habilita
a combater a ideia incauta

Sou madeira que cupim não rói,
e tenho no lombo o couro de sapo.
Me fortalece o que não me destrói
e na injustiça eu me arrelampo!
Postar um comentário