22 de abr de 2016

Levante da Paraíba escracha deputado golpista

Benjamin Maranhão é investigado pelos crimes de corrupção na Operação Sanguessuga / Reprodução/Facebook
Levante da Paraíba escracha deputado "sanguessuga" que votou sim pelo impeachment
O vice-presidente Michel Temer e outro deputados já havia sido escrachado; a estratégia do grupo é expor atores do golpe

Na manhã desta sexta-feira (22), o Levante Popular da Juventude de João Pessoa, capital da Paraíba, escrachou o deputado federal Benjamin Maranhão (SD). Em seu voto sobre a abertura do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, na sessão do último domingo (17), Maranhão a chamou de “ladra” e foi um dos poucos a citar supostos crimes de responsabilidade. Os militantes do Levante argumentam que o deputado é investigado pelos crimes de corrupção passiva, de fraude em licitação e de formação de quadrilha relacionados à Operação Sanguessuga, que investiga o desvio de verba destinada à concessão de ambulâncias para municípios brasileiro.

Em 2006, ele foi um dos deputados cuja cassação foi recomendada ao Conselho de Ética da Casa à época por conta das investigações. Então candidato, desistiu de tentar a reeleição ao parlamento, mas, em 2010, voltou à Casa Legislativa.

Segundo Élida Elena, do Levante Popular da Juventude, os nove deputados do estado - Aguinaldo Ribeiro (PP), Efraim Filho (DEM), Hugo Motta (PMDB), Manoel Junior (PMDB), Pedro Cunha Lima (PSDB PB), Rômulo Gouveia (PSD), Veneziano Vital do Rêgo (PMDB),Wilson Filho (PTB) e Benjamin Maranhão - que votaram pelo impeachmeant “não representam o povo paraibano”.

“Todos eles são investigados por corrupção. Por isso, nós estamos aqui para denunciar e publicizar o papel desses deputados golpistas que querem acabar com o mandato de uma presidenta eleita democraticamente e que não cometeu nenhum crime, ao contrário deles”, afirma. Dilma obteve 64,26% dos votos no estado na eleição de 2014.

Em sua página no Facebook, Maranhão disse lamentar por seus vizinhos “que foram incomodados e pela via pública que foi pichada”. O deputado ainda disse notar um aumento da “intolerância por parte desses movimentos contrários ao impeachment” e disse “temer que isso possa ser revertido em agressões mais sérias”.

Cerca de 40 jovens participaram do ato em frente ao apartamento do deputado, no bairro Altiplano, em João Pessoa, capital paraibana. A estratégia do grupo é deixar claro para a sociedade quem são os atores do golpe.

Na quinta-feira (21), o Levante Popular de São Paulo já havia escrachado o vice-presidente Michel Temer, considerado pela própria presidenta Dilma, um dos principais conspiradores do golpe. A ação fez com que o vice deixasse sua casa no Alto de Pinheiros e voltasse a Brasília por "questão de segurança".

fonte Brasil de Fato
Postar um comentário