16 de set de 2016

Daniel Almeida: Virando a página

Agência Câmara
Eduardo Cunha acabou abandonado no Plenário da Câmara dos Deputados. 
Por 450 votos a 10, o ex-presidente da Casa foi cassado, encerrando um ciclo de retrocessos legislativos. A queda de um dos homens mais maquiavélicos da República também representa o início de uma nova fase de resistência e luta no Parlamento.

Por Daniel Almeida*  
no  Portal Vermelho

A derrota de Cunha, comandante do golpe contra a presidenta Dilma Rousseff, gerou fraturas incuráveis na base do governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB). O vice-presidente da República só conseguiu usurpar o poder porque o então presidente da Câmara lançou mão de todo tipo de manobra espúria para condenar Dilma por crime de responsabilidade, mesmo sem existir justificativa jurídica.

Após muitas tentativas de salvar o aliado, o presidente golpista foi obrigado a abandonar o colega. É imprevisível qual será a resposta de Cunha a essa deslealdade presidencial. Ele sai de cena, mas continua presente com suas chantagens. O DNA dessa gestão tem a marca de Cunha. O atual líder do governo na Câmara, o deputado André Moura (PSC-SE), é uma figura construída e sustentada por ele, o que gera grande fragilidade política ao Palácio do Planalto.

A votação do Projeto de Lei (PL) 4567/16, do senador José Serra (PSDB-SP), que acaba com a exclusividade da Petrobras na exploração dos campos do pré-sal, foi adiada para outubro. A discussão da matéria, grave ameaça à soberania nacional, só foi postergada porque o governo golpista não teria força para aprovar o tema neste momento delicado.

É hora de reforçarmos a mobilização nas redes, nas ruas e no Congresso. Passadas as eleições municipais de outubro, Temer retomará a ofensiva para enxugar conquistas sociais e trabalhistas. Os brasileiros já mostraram de forma contundente, nas últimas manifestações, que não aceitam a imposição de uma agenda neoliberal, derrotada nas urnas em 2014.

Esperamos que a cassação de Cunha realmente seja uma página virada da história brasileira. Que possamos retomar o funcionamento mais normal possível da Câmara, sem atropelos regimentais. A Câmara deve voltar urgentemente a ser a casa do povo, ouvindo a população e tendo como prioridade máxima os interesses nacionais. Cada vez mais vamos bradar: Fora Temer!  

*É deputado federal pelo PCdoB da Bahia e líder do Partido na Câmara 
Postar um comentário