17 de set de 2016

PT anuncia ações em defesa de Lula

"Golpe continuado tem objetivo de interditar Lula, e,
se for o caso, proscrever PT e esquerda”, diz Rui Falcão
Foto PAULO PINTO/AGÊNCIA P
PT anuncia ações em defesa de Lula e renovação de quadros dirigentes
Presidente nacional da legenda afirma que, a partir de agora, os candidatos às prefeituras deverão se manifestar em defesa do ex-presidente, vítima de perseguição política e judicial

por Redação RBA 

São Paulo – Em entrevista coletiva concedida hoje (16), após encerramento de encontro de membros do diretório do partido, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, anunciou três decisões. A primeira é que, a partir de agora, os candidatos às prefeituras deverão se manifestar em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, vítima de perseguição política e judicial. Na quarta-feira (16), o procurador de justiça Deltan Dallagnol acusou Lula de estar "no topo da organização criminosa" e de ser o "comandante máximo" de esquema de corrupção.

A segunda decisão anunciada por Falcão se relaciona com a primeira: o partido promoverá uma série de atos em solidariedade a Lula. Ontem, o partido divulgou nota em que “repudia a ação escusa deste indivíduo (Dallagnol), cujo libelo, desprovido de provas e  politicamente orientado, desrespeita direitos e garantias constitucionais, conspira contra a ordem democrática, estando a exigir providências legais contra sua parcialidade”.

A nota pede a “todos os democratas a resistir, cada vez com mais intensidade e mobilização, a manobras dessa natureza, que atentam contra a liberdade e a soberania popular”.

A terceira medida anunciada é a de que o partido decidiu antecipar as eleições internas, o que deve promover a renovação dos quadros dirigentes “Vamos renovar a direção no primeiro semestre de 2017. E essa renovação será feita pelo sexto congresso de base.” Segundo ele, as pautas e critérios do congresso serão avaliados no dia 7 de outubro, ao mesmo tempo em que será feito um balanço do primeiro turno das eleições municipais.

Sobre a defesa do ex-presidente, Falcão afirmou que “o golpe continuado tem objetivo de interditar o Lula, e, se for o caso, proscrever o PT e a esquerda”. “Isto já foi consolidado com o que eles consideravam o elo mais frágil, a presidenta Dilma.”

Ele lembrou que, embora não esteja até o momento configurado um golpe com presença de tropas nas ruas, muitos manifestantes têm sido vítimas de violência policial ao protestar contra o governo de Michel Temer.

Falcão desmentiu a suposta possibilidade de que uma frente ampla com a participação do PT venha a lançar uma candidatura para a presidência da República de um nome diferente do ex-presidente. “Não é o caso de abrir nenhuma outra hipótese que não seja o Lula. Na medida em que eu começo a discutir publicamente ou admitir a hipótese de uma candidatura alternativa, estou fragilizando ou facilitando o esquema de sua interdição. Mas nem o nome de Lula ainda está colocado. A eleição é só em 2018, a menos que consigamos, com as Diretas Já, mudar todo o esquema e conseguir promover uma reforma eleitoral.”

Com informações da Agência Brasil
Postar um comentário