20 de dez de 2016

Saudades de Olinda

Saudades de Olinda
Joaquim Dantas

Saudade de ti senhora,
saudade, oh! virgem marim.
Teus altos, ladeiras antigas
por onde Bajado arrastava os pés,
bendizem lembranças
em cada fresta de chão,
em cada coqueiro dançante.
Ventos que te sopram hoje
sopraram naus ao mar
em tempos de Holanda e França,
levando Duartes e Felipes.
Teus muros de colégios
escoraram Bandeiras e Alves,
Mércias e Joaquins...
Os toques dos tambores
escondidos nas senzalas
e os tantos choaqualhares
de tantos maracás,
ainda hoje ecoam
nas noites de lua cheia,
no Palácio de Yemanjá.

Postar um comentário