15 de jan de 2017

“Se eu voltar, é para fazer mais do que já fiz”

Foto Lula Marques/Agência PT
Lula manda recado: “Se eu voltar, é para fazer mais do que já fiz”
Em evento com trabalhadores em educação de todo País, ex-presidente defendeu eleições diretas e disse que Temer entrou “pela porta dos fundos”

Com plateia chamando “ Lula guerreiro do povo brasileiro”, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva subiu ao palco do Centro de Convenções de Brasília (DF), para fazer a fala de abertura do 33º Congresso Nacional da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), na noite desta quinta-feira (12).

“Se cuidem, porque, se eu voltar a ser candidato a presidente da República, é para fazer muito mais do que já fizemos”, declarou Lula.

O ex-presidente criticou o usurpador Michel Temer, afirmando que o golpista não tem credibilidade para tirar o Brasil da crise.

“Para tentar recuperar esse País, é preciso que alguém tenha credibilidade, e só vai ter credibilidade uma pessoa eleita democraticamente pelo voto do povo brasileiro”, destacou.

Para Lula, Temer não tem credibilidade porque não teve voto e “chegou ao poder por um golpe, pela porta dos fundos”. O petista completou que todos têm o direito de ser presidente, mas que para isso precisa disputar eleição e pedir voto ao povo.

Na sua avaliação, o golpe que retirou a presidenta eleita Dilma Rousseff foi aplicado com o único objetivo cessar as conquistas sociais que foram alcançadas nos últimos 12 anos no Brasil.

“Aqueles que deram o golpe, não fizeram isso para construir nada de novo, deram o golpe para destruir o que fizemos”, disse.

O ex-presidente enfatizou que Dilma “não quebrou o País, como os golpistas ficam dizendo”.

“Quem quebrou o País, na verdade, foram os golpistas. Porque desde que Dilma ganhou as eleições e que o senhor Eduardo Cunha foi eleito presidente da Câmara, que ele trabalhou de forma incansável para não deixar a Dilma aprovar nenhuma das suas reformas”, lembrou.

Lula garantiu que vai continuar viajando pelo Brasil e disse que a principal discussão de 2017 será “quem vai tirar o País da lama”.

“Este ano, quem acha que vai me proibir de andar por esse País, pode se preparar, que eu vou voltar a viajar pelo Brasil para discutir com vocês o que precisamos fazer por este País. Porque o maior erro neste País é achar que dá pra governar sem contar com a participação da sociedade, sem ouvir o povo”, afirmou.

E mandou recado para os professores e dirigentes sindicais da área da educação, afirmando que eles terão que lutar ainda mais esse ano, “para que vocês passem para a história como a geração de educadores que não permitiu que esse País voltasse aos tempos negros do século XX, quando as pessoas mais pobres não tinham direito à educação”.

O ex-presidente finalizou afirmando que a tarefa de cada um é “lutar, lutar, lutar e conquistar o direto do povo brasileiro votar para presidente da República, quem sabe ainda em 2017”

Lula terminou sua fala do mesmo jeito que começou: com a plateia de pé chamando “Brasil urgente, Lula presidente”.

Por Luana Spinillo, da Agência PT de Notícias
Postar um comentário