5 de abr de 2017

Mulher filma empregada caindo do 7º andar

Uma mulher filmou sua empregada doméstica caindo do 7º andar do prédio e não faz nada para ajudar

De Brasília
Joaquim Dantas
Para o Blog do Arretadinho

O fato aconteceu no Kuwait e a autora da película é a empregadora  da mulher etíope que aparece no vídeo abaixo despencando do 7º andar do prédio onde trabalhava.

O vídeo tem a duração de apenas 12 segundos mas, segundo a imprensa internacional, é possível ouvir a empregada gritar "segure-me, segure-me", enquanto a dona do apartamento e autora do vídeo diz enquanto filma, "louca, volta para dentro".

Nas redes sociais a "patroa" foi bastante criticada pela frieza de sua atitude e pela total insensibilidade em não ajudar a mulher  que estava prestes a cair.

Na região onde o fato ocorreu existem cerca de 600 mil empregadas domésticas que sofrem inúmeros tipos de abusos e assédios, levando muitas dessas mulheres a tomarem atitudes extremas para fugir de seus locais de trabalho.

No Brasil
Os trabalhadores em missões (embaixadas) e organismos internacionais também são vítimas de abusos, assédios e todo tipo de desrespeito, porque esses organismos não respeitam a legislação brasileira.

Segundo o Sindicato Nacional dos Trabalhadores em Embaixadas, Consulados, Organismos Internacionais e Empregados que Laboram para o Estado Estrangeiro ou para Membros do Corpo Diplomático Estrangeiro no Brasil - SINDNAÇÕES - existem milhares de ações trabalhistas no país, a maioria delas transitadas e julgadas, que não foram cumpridas pelos empregadores.

O maior questionamento dos empregados brasileiros em organismos internacionais é o de não poder reivindicar direitos trabalhistas como recolhimento de Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, FGTS, Férias, 13º salários entre outros.

Ainda segundo o SINDNAÇÕES, "estas missões que apresentam atitude negativa para com os seus empregados valem-se da imunidade de execução assegurada em convenções internacionais. Tal imunidade garante que os bens necessários ao funcionamento das mesmas com hegemonia como representantes de um ente externo (país ou organismo internacional) não podem ser objeto de penhora. Como se trata de entes governamentais, é incompreensível esta atitude de querer prejudicar o empregado, e só se explica, na maioria dos casos, pela falta de conhecimento por parte dos governos dos países, lá no exterior, do que vem acontecendo em suas missões. Por vezes, como já se constatou, os recursos para indenizar o trabalhador foram remetidos, mas não chegaram ao seu destino", disse o sindicato em nota.

Voltando ao caso do Kuwait
Segundo as autoridades locais a autora do vídeo alegou que a sua atitude de filmar a empregada despencando do 7º andar do prédio, foi a única forma de defender-se contra uma possível acusação de homicídio, o que reforça a tese das denúncias de maus tratos cometidos pelos patrões naquela região.

A empregada sobreviveu a queda mas sofreu fratura exposta nos braços. Nem a polícia nem a imprensa local divulgaram os nomes da vítima e da autora do vídeo, que foi publicado em 01/04/2017.

AVISO: CENAS FORTES

Postar um comentário