17 de abr de 2015

O senador Hélio do PSD tenta fazer mais uma “gambiarra”

O policial federal Luís Cláudio Avelar (PCdoB), suplente do senador Hélio José (PSD), do Distrito Federal, apelou ao Tribunal Superior Eleitoral, por meio da petição de número  5957, protocolada pela Hauschild Advogados Associados em fevereiro, na semana da posse, para assumir a vaga de senador alegando  infidelidade partidária. 
Hélio trocou o PT pelo PSD em 2011 e, pela lei, o PT teria o direito a requerer o cargo à ocasião da posse do suplente, mas passado o prazo e nada protocolado, a oportunidade agora é do segundo suplente Avelar. A relatoria está com o ministro Gilmar Mendes no TSE.

Enviado por Trajano Jardim

Conforme comentário feito neste blog, Hélio já ficou numa situação delicada em relação ao próprio Rollemberg. Há tempos, o então senador, antes de tê-lo como suplente, o acusou de violência sexual contra uma menor, o que Hélio rechaçou, embora o processo continue tramitando na Justiça.

Outro problema que chamuscou a militância de Hélio José, foi o caso do uso de ligação irregular de energia elétrica permitido por ele, quando em um cargo de direção na Companhia de Energia Elétrica de Brasília (CEB), para uma festa particular de aniversário, o que lhe rendeu o apelido de “Hélio gambiarra”, pelo qual ficou conhecido nas esferas políticas do Distrito Federal.

Agora, o senador Hélio José, parece querer tentar mais uma “gambiarra”. Ele migrou para o PSD em março de 2012, sendo que a legislação permite a mudança apenas para partidos novos, dentro do prazo máximo de 30 dias após o registro do Estatuto do novo partido. Mesmo com a claridade da lei, a filiação ao PSD foi bem depois do prazo permitido. Embora nos anais do TRE conste a data da efetivação da filiação, o senador quer apresentar uma ficha com data diferente   para tentar burlar a lei.

O suplente Cláudio Avelar diz estar confiante na eficiência do TSE e no Relator do processo, Ministro Gilmar Mendes, que em julgados anteriores, deixou bem clara sua posição, em relação à infidelidade partidária.
Postar um comentário