22 de jun de 2015

Chefe da NASA admite a existência da Área 51

Reprodução
O governo dos EUA nunca admitiu, mas o chefe da NASA diz que a Área 51 existe

De Brasília
Joaquim Dantas
Para o Blog do Arretadinho

O chefe da NASA, Charles Bolden, admitiu neste sábado, (20), que a Área 51 existe, embora o governo dos EUA sempre tenham negado. A informação foi publicada no jornal actualidad.rt.com.

Bolden disse ao jornal que acredita na existência de vida fora da terra, mas negou que o governo americano mantenha alienígenas, vivos ou mortos, na Área 51. Disse ainda que esteve no local e não presenciou nada de anormal, como naves espaciais ou coisa parecida.

"Eu acho que um dia nós vamos encontrar outras formas de vida, se não for em nosso sistema solar será em outro, entre os bilhões de galáxias existentes", disse Bolden.

Em 2013 a Agência de Inteligência dos EUA, CIA, reconheceu a existência da Área 51 no Estado de Nevada, que é usada para testar programas espaciais secretos. Durante a guerra fria o local era utilizado para testar aviões de espionagem, capazes de voar em grandes altitudes e cobrir longas distâncias.

A base militar de testes das forças armadas dos Estados Unidos, é uma das bases mais avançadas do mundo, contendo um complexo subterrâneo e vários laboratórios de pesquisas. Com a finalidade de desenvolver ou testar tecnologia para as Forças Armadas.

Desde o estabelecimento da Área 51, algumas pessoas declararam ter visto estranhos objetos sobrevoando seu espaço aéreo e arredores, mas as autoridades sempre negaram os fatos. Entretanto, um de seus próprios funcionários declarou que na base, além de projetos militares avançados que usam tecnologia alienígena ativamente, discos voadores genuinamente extraterrestres também seriam objetos de estudo de engenharia reversa. As naves, resgatadas intactas ou em acidentes, eram consertadas ou reconstruídas e depois submetidas à prova por pilotos de testes. Foi o próprio físico Robert Bob Lazar quem fez tal afirmação, sendo seguido por vários outros ex-funcionários das instalações . "Quase todos os dias eu pegava o avião em McCarran e ia à ‘Fazenda’, onde trabalhava em tecnologia revolucionária", declarou Lazar, que trabalhou cinco meses na base, em dezembro de 1988. O piloto de testes e herói de guerra John Lear, filho do então proprietário da fábrica de aviões a jato Learjet, foi um dos que colocaram os UFOs à prova.

Lazar declarou ainda que o governo norte-americano estava pesquisando nada menos que nove discos voadores na Área 51, e tentava adaptar sua tecnologia em projetos terrestres, com o uso da chamada engenharia reversa. Por suas declarações, ele e sua mulher receberam várias ameaças de morte. Assim, evitando correr riscos, em novembro de 1989 decidiu aparecer em público e confirmou suas alegações. Disse que há um lugar secreto no interior da Área 51, conhecido como S-4, próximo ao lago seco Papoose, onde as naves alienígenas eram guardadas. Explicou que seu trabalho se dava justamente naquelas instalações, junto a uma equipe de 22 engenheiros contratados para estudar os sistemas de propulsão dos discos voadores. 

Ainda segundo Lazar, o S-4 era um enorme complexo subterrâneo que ocupava toda a área de uma cordilheira . No início, o físico pensou que estivesse trabalhando com uma tecnologia altamente sofisticada criada pelo homem. Mas quando entrou em um dos discos voadores lá alojados, convenceu-se de que se tratava de algo de outro mundo, porque tanto sua forma quanto suas dimensões confirmam sua origem não humana. "As naves que examinei não possuíam juntas aparentes, nenhuma solda, parafusos ou rebites", disse Lazar. "As bordas de todos os elementos da espaçonave eram arredondadas e suaves, como se tivessem sido feitas com cera quente submetida a um rápido processo de resfriamento", Declarou o físico.

Mais cedo ou mais terde, acredito que a verdade sobre esses fatos virá à tona.
Postar um comentário