18 de nov de 2015

Poemando-se

Minhas Distâncias
Joaquim Dantas.

A fita vermelha da vida,
No punho do sonhador.
É uma ameaça contida
de quem tem medo da dor.

Passado a limpo o presente,
Não se tem tantas certezas.
Mas o gole da aguardente
Faz a alma ter larguezas.

O peso medido e contado
Confunde a seta certeira.
Mas o viver arrastado
Se perde na algibeira.

De tudo que quero da vida,
Só tenho o que é meu:
A minha angústia fervida
E meu querer fariseu.



Todo Fruto
Joaquim Dantas.

Resta ao fruto
Germinar
E tornar-se maduro,
E alimentar
E dar prazer.

Resta a mão
Regar
E cuidar com carinho
E mexer a terra
E proteger.

Melhor será
Transgredir
E distinguir
As formas dos fatos
E frutificar a vida.


Postar um comentário