28 de jan de 2016

Presidente Vladimir Putin, entrevista

Desde o início, nunca conseguimos superar a divisão da Europa. 
O Muro de Berlin caiu há 25 anos, mas muros invisíveis foram transferidos para o leste da Europa. Isso levou a desentendimentos mútuos e mútuas atribuições de culpa. 
Aí está a causa de todas as crises desde aquele momento.+

Por Nikolaus Blome
No Pravda.ru

Entrevista ao Bild

"Fronteiras e territórios nacionais não são o mais importante"


BILD: Sr. presidente, há 25 anos, celebramos o fim da Guerra Fria. Agora tivemos um ano de mais crises e guerra do que jamais antes. O que deu tão horrivelmente errado nas relações entre o ocidente e a Rússia?

Presidente Putin: Eis a grande pergunta. Fizemos tudo errado.

BILD: Tudo?

Pres. Putin: Desde o início, nunca conseguimos superar a divisão da Europa. O Muro de Berlin caiu há 25 anos, mas muros invisíveis foram transferidos para o leste da Europa. Isso levou a desentendimentos mútuos e mútuas atribuições de culpa. Aí está a causa de todas as crises desde aquele momento.

BILD: O senhor quer dizer o quê? Quando esse desenvolvimento escalou?

Pres. Putin: Lá atrás, em 2007, muita gente me criticou pelo que disse na Conferência de Segurança de Munique. Mas o que eu disse lá? Simplesmente fiz lembrar que o ex-secretário-geral da OTAN Manfred Wörner havia prometido que a OTAN não se expandiria para o leste, depois de o Muro ser derrubado. Muitos políticos alemães também chamaram a atenção para o que estava acontecendo, por exemplo, Egon Bahr.

(Putin pede e o porta-voz lhe entrega uma pasta fina. Contém transcrições, dentre outras, de falas de Bahr em Moscou. "Nada disso foi jamais publicado" -, diz Putin.)

BILD: Que tipo de falas foram essas?

Pres. Putin: Ao longo do ano de 1990, o então chanceler Helmut Kohl e o ministro Hans-Dietrich Genscher, de Relações Exteriores, tiveram várias conversas com o presidente Gorbachev e outros funcionários soviéticos.

(Putin lê alto, em russo, a transcrição da conversa com Egon Bahr, o dedo indicador seguindo atentamente cada palavra escrita.)

Pres. Putin: Aqui, por exemplo, o que Egon Bahr disse dia 26/6/1990: "Se não tomarmos medidas claras para impedir a divisão da Europa, isso levará ao isolamento da Rússia." Bahr, homem inteligente, tinha sugestão muito concreta de como esse risco poderia ser evitado: os EUA, a União Soviética e os próprios estados interessados deviam redefinir a zona, na Europa Central, que não seria acessível às estruturas militares da OTAN. Bahr disse, literalmente, que se a Rússia aceitasse a expansão da OTAN, ele nunca mais poria os pés em Moscou (Putin ri discretamente).

BILD: E ele voltou a Moscou, ou não?

Pres. Putin: (ainda rindo) Honestamente, não sei.

BILD: Falando sério: os estados da Europa central queriam ser membros da OTAN, eles mesmos, por vontade própria. Esperavam que assim ganhariam segurança para eles mesmos.

Pres. Putin: Já ouvi isso mil vezes. Claro que cada estado tem o direito de organizar a própria segurança como melhor lhe pareça. Mas os estados que já estavam na OTAN, os estados membros, poderiam também pensar, ao mesmo tempo, nos próprios interesses deles. Se o fizessem, impediriam qualquer expansão da OTAN para o leste.

BILD: E a OTAN poderia não avançar? Não teria sobrevivido, porque... 

(Putin interrompe, repentinamente em alemão, sem esperar o intérprete): "Por que não?" 

BILD: Porque é parte das regras da OTAN e de sua autodefinição aceitar países livres como membros se quiserem e se cumprirem algumas condições.

Pres. Putin: (ainda em alemão) Quem redigiu essas regras? Políticos, certo? (O presidente volta a falar em russo.) 

Pres. Putin: Em lugar algum está escrito que a OTAN teria de aceitar certos países. O único requerimento para não aceitar sempre foi um desejo político. As pessoas não quiseram.

BILD: Por que, na sua opinião, aconteceu assim?

Pres. Putin: OTAN e EUA faziam questão de marcar vitória total sobre a União Soviética. Queriam sentar, só os EUA, no trono da Europa. E agora lá estão, sentados ali mesmo, e estamos falando de crises que, sem eles lá, não teríamos. Vê-se a mesma coisa, essa ânsia por triunfo total, também nos planos dos mísseis norte-americanos de defesa.

BILD: Mas o escudo de mísseis de defesa dos EUA - se algum dia vier a ser instalado - é defensivo, não é?

Pres. Putin: Em 2009, o presidente Obama dos EUA disse que a defesa com mísseis servia exclusivamente como proteção contra mísseis nucleares iranianos. Hoje, há tratado internacional com o Irã que impede que Teerã desenvolva projeto potencialmente nuclear militar. A Agência Internacional de Energia Atômica controla isso, as sanções contra o Irã são levantadas - mas os EUA continuam a trabalhar no tal sistema de mísseis de defesa. Ainda recentemente assinaram tratado com a Espanha, está sendo preparado deslocamento para a Romênia, o mesmo acontecerá na Polônia em 2018, e na Turquia está sendo instalada uma unidade de radar. Para quê? 

BILD: O senhor explicou, com detalhes, os erros que, do ponto de vista da Rússia, o ocidente cometeu. A Rússia não errou em coisa alguma?

Pres. Putin: Ah, sim, erramos muitos! Esperamos demais. Se tivéssemos apresentado nossos interesses mais claramente desde o início, o mundo teria continuado num melhor equilíbrio. Depois que a União Soviética deixou de existir tivemos muitos problemas nossos, pelos quais só nós somos responsáveis: o declínio econômico, o colapso do sistema do estado de bem-estar, o separatismo e, claro, os ataques terroristas que sacudiram nosso país. Quanto a isso, não precisamos ir longe para encontrar os culpados.

BILD: Em entrevista que o senhor deu ao BILD, há dez anos, o senhor disse que Alemanha e Rússia jamais haviam estado tão próximas como em 2005. O que restou desse relacionamento especial?

Pres. Putin: A simpatia mútua entre nossos povos é e continuará a ser a base de nossas relações.

BILD: E nada mudou? (Putin ri, com ar de zombaria.)

Pres. Putin: É. Mesmo com a ajuda de toda a propaganda anti-Rússia nos veículos de jornalismo de massa, a Alemanha não conseguiu deixar de nos parecer adorável... 

BILD: O senhor está falando do BILD?

Pres. Putin: Não estou falando pessoalmente de vocês. Mas não pode haver dúvidas de que a mídia-empresa alemã é pesadamente influenciada por gente do outro lado do Oceano Atlântico.

BILD: Para nós, é novidade. E então? Qual o estado atual do relacionamento Alemanha-Rússia?

Pres. Putin: Em 2005, tínhamos ótima situação. O orçamento comum chegou a 80 bilhões/ano. Milhares de empregos foram criados na Alemanha por investimentos russos. E grande número de empresas alemãs investiam na Rússia. Havia incontáveis contatos culturais e sociais. Hoje? O volume de comércio é metade do que foi, não passa de 40 bilhões de euros.

BILD: A Conferência de Segurança de Munique poderá ser boa oportunidade para melhorar as coisas?

Pres. Putin: Não irei a Munique.

BILD: O que o senhor pensa da teoria de que existiriam dois Vladimir Putins? Um, até 2007, amigo do ocidente, amigo íntimo do chanceler Schröder. E outro, depois, guerreiro da Guerra Fria.

Pres. Putin: Não mudei nunca. Sinto-me tão jovem como naquele momento e continuo muito amigo de Gerhard Schröder. Mas as coisas são diferentes nas relações internacionais. Nesse campo, não sou amigo, nem noivo nem noiva. Sou presidente de 146 milhões de russos e tenho de representar os interesses deles. Queremos resolver tudo sem conflitos e buscar acordos, respeitado tudo que a lei internacional determina.

BILD: Em 2000, o senhor disse que a lição mais importante da Guerra Fria foi que todos aprenderam que nunca mais deveria haver confronto de qualquer tipo dentro da Europa. Hoje, o confronto está aí, de volta. Quando reencontraremos o Putin daqueles dias, amigo do ocidente?

Pres. Putin: Repito que não mudei em nada. Veja a luta contra o terrorismo: depois dos ataques de 11 de setembro, fui o primeiro a me posicionar ao lado do presidente Bush dos EUA. Agora, depois dos ataques de Paris, fiz exatamente a mesma coisa e também me posicionei ao lado do presidente Hollande da França. O terrorismo ameaça todos.

BILD: A ameaça trazida pelo terrorismo islamista não criou nova área comum entre Rússia e o ocidente?

Pres. Putin: Sim, e temos de cooperar muito mais intimamente para lutar contra o terrorismo, que é desafio enorme. Mesmo que nem sempre todos concordem em todos os aspectos, ninguém deve tentar servir-se de uma ou outra discordância, como pretexto para nos declarar inimigos.

BILD: Já que o senhor falou de grande desafio: a Crimeia, para comparar, vale o preço de ferir assim tão gravemente o relacionamento entre Rússia e o ocidente?

Pres. Putin: O que você quer dizer com "Crimeia"?

BILD: O movimento unilateral das fronteiras, numa Europa que se baseia, particularmente, em respeitar fronteiras estatais.

Pres. Putin: Nesse caso, "Crimeia" significa, para mim, seres humanos.

BILD: Seres humanos?

Pres. Putin: O golpe dos nacionalistas na capital da Ucrânia, Kiev, em 2014, assustou terrivelmente 2,5 milhões de russos que vivem na Crimeia. O que fizemos? Não fomos à guerra, não atiramos contra ninguém, não houve sequer uma morte. Nossos soldados cuidaram com eficácia de impedir que tropas da Ucrânia aquarteladas na Crimeia criassem obstáculos intransponíveis à livre manifestação do desejo do povo que vive ali. Depois houve um referendo - cuja realização foi decidida pelo Parlamento da Crimeia, que sempre existira -, e a maioria dos cidadãos votou por aquele estado ser integrado à Rússia. Foi a vontade popular. Foi democrático.

BILD: Mas ninguém pode simplesmente modificar as fronteiras de estados europeus.

Pres. Putin: Para mim, fronteiras e territórios nacionais não são o mais importante. Importante é o destino das populações.

BILD: E a lei internacional?

Pres. Putin: Claro que é indispensável que a lei internacional seja respeitada, como foi respeitada, na Crimeia. Nos termos da Carta da ONU, todos os povos têm direito à autodeterminação. Veja o Kosovo: naquele momento os corpos da ONU decidiram que o Kosovo tinha de se tornar independente da Sérvia e que os interesses do governo central sérvio tinham de subordinar-se. É o que dizem todos os registros. Também os alemães.

BILD: Mas antes disso o governo central sérvio havia feito guerra contra os albaneses do Kosovo, e expulsara milhares deles. É uma diferença.

Pres. Putin: Fato é que houve longa guerra, na qual a Sérvia e Belgrado, sua capital, foram bombardeadas e atacadas com mísseis. Foi intervenção militar feita pelo ocidente e OTAN contra a Iugoslávia que já havia sido destroçada. E eu pergunto: se os kosovares têm direito à autodeterminação, por que o povo da Crimeia não teria? Na minha avaliação, todos têm de respeitar as leis internacionais, não mudá-las a seu favor cada vez que lhe pareça útil.

BILD: Se, como o senhor diz, não houve violação da lei internacional na Crimeia, como o senhor explica aos cidadãos russos as severas sanções econômicas aplicadas pelo ocidente e pela União Europeia?

Pres. Putin: A população russa tem visão absolutamente clara sobre toda a situação. Napoleão disse que justiça é a incarnação de Deus na Terra. Já disse e repito: a reunificação de Crimeia e Rússia foi medida justa. As sanções ocidentais não visam a ajudar a Ucrânia, só existem como represália geopolítica contra o ato justo, da Rússia. É bobagem. Estão causando prejuízos para os dois lados.

BILD: As sanções estão sendo muito difíceis para a Rússia?

Pres. Putin: No que tenham a ver com nossas possibilidades nos mercados financeiros internacionais, as sanções estão causando grave dano à Rússia. Mas o maior dano, hoje, é causado pelo declínio no preço da energia. Estamos sofrendo graves perdas nas nossas receitas de exportação de petróleo e gás, que só podemos compensar parcialmente com outros itens. Mas a coisa toda tem também um lado positivo: se você acumula muitos petrodólares - como antes era o caso da Rússia -, e é fácil comprar noutros países tudo de que você precisa, o desenvolvimento local, nacional, tende a ficar mais lento.

BILD: O que se diz é que a economia russa sofreu gravemente.

Pres. Putin: Atualmente já estamos estabilizando nossa economia. Ano passado, o PIB caiu 3,7%. A inflação está perto de 12,7%. Mas a balança comercial ainda é positiva. Pela primeira vez em muitos anos, estamos exportando significativamente mais bens com alto valor agregado, e temos mais de 300 bilhões de reservas em ouro. E já estão sendo executados vários programas para modernizar a economia.

BILD: Em 2015, o senhor falou longamente sobre a Crimeia e a crise no leste da Ucrânia com a chanceler Angela Merkel. Como está hoje essa relação?

Pres. Putin: Temos relacionamento de trabalho. Nos encontramos sete vezes, ano passado; e nos falamos pelo telefone pelo menos 20 vezes. 2016 é o ano do intercâmbio de jovens entre Alemanha e Rússia. As relações avançam. 

BILD: O senhor confia em Angela Merkel?

Pres. Putin: Confio. É pessoa muito aberta. Está, claro, submetida a pressões e limitações. Mas está fazendo esforço honesto para superar a crise, também no sudeste da Ucrânia. Seja como for, o que a União Europeia faz, com aquelas sanções, não passa de teatro do absurdo.

BILD: Teatro do absurdo? No leste da Ucrânia nem tudo está como deve estar antes de as sanções serem levantadas.

Pres. Putin: Tudo que falta para implementar o Acordo de Minsk é - sem exceção -, atribuição do governo central da Ucrânia, em Kiev. Você não pode exigir de Moscou algo que, de fato, é tarefa e dever do governo de Kiev. O aspecto mais importante é a reforma constitucional, ponto 11 do Acordo de Minsk (Putin pede outra pequena pasta e lê o item 11 do acordo, em russo, em voz alta; o dedo indicador acompanha cada palavra escrita.)

A reforma constitucional deveria garantir autonomia ao leste da Ucrânia, e deveria ter sido adotada no final de 2015. Não fizeram reforma alguma, e o ano acabou. Não é culpa da Rússia.

BILD: Mas a reforma constitucional não estava prevista para começar depois que os separatistas apoiados pela Rússia e as tropas do governo central no leste da Ucrânia parassem de se matar uns os outros?

Pres. Putin: Não. Não é o que está escrito aqui. Primeiro, a Constituição tem de ser reformada. Só depois disso é possível construir confiança. Só depois, afinal, se pode ter segurança na fronteira. Leia aí. (Putin passa os papeis para o outro lado da mesa). É a tradução ao inglês. Pode levar com você. ("Obrigado", respondem os jornalistas. Putin, responde em alemão: "Não há de quê").

BILD: O senhor acha que Angela Merkel também não leu nem compreendeu adequadamente o Acordo de Minsk? Ela acaba de votar a favor de estender as sanções contra a Rússia.

Pres. Putin: A chanceler e os parceiros europeus bem fariam se dedicassem mais atenção aos problemas no leste da Ucrânia. Talvez no momento estejam com muitos problemas domésticos. Pelo menos, afinal, Alemanha e França criticaram recentemente que o governo central em Kiev tenha limitado alguns itens das leis de autonomia a apenas três anos. Estavam previstos para serem permanentes.

BILD: Já que conversam tanto, tantos contatos, o que o senhor mais admira na chanceler?

Pres. Putin: Não disse que a admiro. Reconheço que é pessoa aberta e profissional.

BILD: Quando a chanceler o visitou em Socchi em 2007, o senhor levou seu cachorro Koni ao encontro. Não sabia que a chanceler tem algum incômodo com cachorros e que poderia ser desagradável para ela?

Pres. Putin: Não sabia. Só quis ser gentil, supus que ela se alegraria. Quando me disseram que ela não gosta de cachorros, pedi desculpas, claro.

"A Rússia não reivindica papel de superpotência" 
[2ª parte, BILD, 13/1/2016]

BILD: Sr. presidente, pode-se dizer que a comunidade internacional já ostracizou a Rússia. Não lhe permitem sequer participar das reuniões do G8 dos líderes das principais nações industrializadas. Essa medida o perturba?

Pres. Putin: Mesmo antes, sempre tive a impressão de que a Rússia não era membro pleno do grupo G8. Os ministros de Relações Exteriores, por exemplo, continuaram a reunir-se no velho formato de sete estados importantes, o G7, sem Rússia.

BILD: E o que o senhor pensou quando o presidente da superpotência EUA, Barack Obama, zombou da Rússia, chamando-a de "potência regional"?

Pres. Putin: Para ser honesto, não levei a sério, francamente. Claro, qualquer chefe de estado pode pensar o que queira e dizer como bem entenda. Barack Obama também diz que os EUA são "nação escolhida". Também não se pode levar a sério.

BILD: A Rússia não quer ser superpotência?

Pres. Putin: Não, não reivindicamos para nós o papel de superpotência. É caro demais e desnecessário. Continuamos a ser uma das principais economias do mundo. 

Quem fale de "potência regional" bem faria se estudasse o planisfério. No oeste, nossa região é a Europa. No leste, nossa região é EUA, pelo Alasca, e o Japão. No norte, nossa região inclui o Canadá, pelo Oceano Ártico. Ao tentar rebaixar a importância da Rússia no mundo, sempre tentam 'promover' o país de cada um. É erro.

BILD: O senhor vai tentar levar a Rússia outra vez para as reuniões do G8?

Pres. Putin: Em 2014, convidamos para que fizessem uma reunião do G8 na Rússia. Eles é que não quiseram vir. A Rússia sempre tem disposição para as reuniões do G8. Mas, dessa vez, ainda não compramos passagens.

BILD: Que valor tem, para o senhor, as reuniões do G8? O quanto elas fazem falta à Rússia?

Pres. Putin: De modo geral, as reuniões do G8 são bem interessantes, porque é bom trocar ideias, conhecer posições alternativas e expor o que a Rússia pensa. Continuamos a fazer essa troca com os estados do G20, com os países exportadores de petróleo da região do Pacífico Asiático (APEC) e com os países emergentes (BRICS).

BILD: Como está o relacionamento com a OTAN? O antigo Conselho OTAN-Rússia ainda existe.

Pres. Putin: Outra cooperação que não congelamos. A Rússia deseja voltar a cooperar com a OTAN. Há muitas razões, e oportunidades não faltam. Mas é como na vida real: amor feliz, só se for recíproco. Se alguém não quer cooperar conosco, tudo bem, saímos dessa.

BILD: Não é só a falta de cooperação que preocupa. Agora há também confronto direto com um país da OTAN. A Turquia derrubou recentemente um jato russo, sobre a fronteira turco-síria. Incidente desse tipo poderia - por acidente, digamos - incendiar o mundo inteiro?

Pres. Putin: Turquia é parte da OTAN, mas não foi atacada. A OTAN portanto não tem de proteger a Turquia, e nossos problemas com a Turquia nada têm a ver com o país ser ou não ser membro da OTAN. A via mais adequada seria o governo turco pedir desculpas diplomáticas por ter derrubado o avião - o que é crime de guerra -, em vez de procurar ajuda do comando da OTAN. É muito estranho. Se Turquia persegue interesses só dela na região, nem Alemanha nem OTAN teriam qualquer obrigação de apoiar a Turquia. É ou não é?

BILD: Qual o risco de incidente desse tipo escalar?

Pres. Putin: Espero sinceramente que eventos desse tipo não se convertam em grandes conflitos militares. Mas se interesses e a segurança da Rússia for ameaçada, a Rússia resistirá. Todos devem ter isso em mente.

BILD: O senhor falou da região, digo, do Oriente Próximo e Médio. Sob seu comando, a Rússia também interveio por meios militares, na Síria. Muitos especialistas e políticos dizem no ocidente que os ataques russos não visam os terroristas islamistas do ISIS, mas os rebeldes que combatem contra o governante sírio. Em resumo: a Rússia está bombardeando o pessoal errado?

(O intérprete traduz a resposta de Putin, para o alemão como "Você está dizendo as coisas de modo errado". Putin ri e intervém, falando em alemão: "O que eu disse foi 'Tudo isso é mentira'. Foi isso que eu disse." Imediatamente, sério, volta a falar em russo.)

Pres. Putin: O vídeo que serviu de 'prova' para essa 'denúncia' foi feito antes até de as forças russas começarem aquela missão. É fácil provar, mesmo que nossos críticos recusem-se a acreditar nos próprios olhos. Por falar nisso, por que não estão preocupados com os pilotos norte-americanos que bombardearam um hospital dos "Médicos sem Fronteiras", em Kunduz, Afeganistão? Morreu muita gente ali, mas os jornalistas estão mudos.

BILD: Não é verdade, muitos jornais e revistas cobriram.

Pres. Putin: Ora, podem ter mencionado umas poucas vezes e, isso, só porque há não afegãos entre as vítimas. Em seguida, o incidente novamente foi esquecido. E quem ainda recorda os casamentos no Afeganistão, que eram alvos dos bombardeios dos EUA e nos quais foram assassinados centenas de civis inocentes? Nossos pilotos não bombardeiam alvos civis, a menos que você considere um comboio de milhares de caminhões-tanque carregados de petróleo roubado, praticamente um oleoduto 'vivo', de petróleo roubado, alvo civil. Esse tipo de alvo, sim, bombardeamos. Mas franceses e norte-americanos também bombardeiam esses alvos.

BILD: O presidente sírio bombardeia o próprio povo e é responsável por milhares de mortes. É fato. Assad é seu aliado? Se é, por que é? 

Pres. Putin: Isso não é pergunta: isso é uma armadilha. Também acho que o presidente Assad fez muitas coisas erradas ao longo desse conflito. Mas o conflito não teria se prolongado nem se alastrado tanto, se não tivesse recebido reforço de fora da Síria - armas, dinheiro e combatentes. Quem é responsável por isso? O governo Assad, que está lutando para impedir que a Síria seja esfacelada? Ou os rebeldes, que querem pulverizar o país e por isso combatem contra o governo da Síria?

BILD: Qual o objetivo da Rússia no conflito sírio?

Pres. Putin: Posso dizer-lhe o que nós não queremos: não queremos que a Síria termine como Iraque ou Líbia. Veja o Egito: é preciso reconhecer o mérito do presidente Sisi que assumiu a responsabilidade e o poder num momento de emergência, para estabilizar o país. É preciso tentar qualquer coisa, para garantir apoio aos legítimos governantes na Síria. Evidentemente não significa que tudo possa continuar como antes. Tão logo o país esteja estabilizado, terá de haver reforma da Constituição, e depois eleições presidenciais. Só o povo sírio pode decidir que deve governar o país. 

BILD: O senhor realmente acredita que Assad ainda é governo legítimo na Síria? Depois de ter bombardeado o próprio povo?.

Pres. Putin: É evidente, qualquer um vê, que Assad não está combatendo contra o próprio povo, mas, sim, contra os que tentaram golpe armado contra o governo. Se a população civil também sofre e também é ferida, não é culpa de Assad, mas dos golpistas armados e dos que os apoiam de fora da Síria. Nada disso significa que tudo esteja muito bem na Síria ou que Assad não cometa erros.

BILD: Se houver mesmo eleições presidenciais e se Assad perder, a Rússia lhe garantirá asilo?

Pres. Putin: Cedo demais para pensar nisso. Mas não há dúvidas de que foi muito mais difícil, com certeza, dar asilo ao Sr. Snowden na Rússia, do que seria, no caso de Assad. Seja como for, antes a população síria terá de se manifestar pelo voto. Depois veremos se Assad terá de deixar o país, caso perca as eleições. De qualquer modo, não é precondição. Até lá, a Rússia continuará a combater contra o ISISe aqueles rebeldes anti-Assad que cooperam com o ISIS. Ao mesmo tempo, apoiaremos as forças de Assad que lutam contra o ISIS - e também forças anti-Assad que realmente lutem contra o ISIS. Complicado, sabemos que é. Muito complicado.

BILD: Em que medida a emergência de conflito entre Irã e Arábia Saudita complica ainda mais o conflito sírio?

Pres. Putin: Esse conflito realmente torna tudo muito mais complicado: resolver a questão síria, combater contra o terrorismo, pôr fim à crise dos refugiados. Não quero comentar sobre se se deve esperar guerra declarada entre esses dois estados, porque seria especulação. A Rússia mantém boas relações com os dois - com o Irã e com a Arábia Saudita. Mas foi erro grave dos líderes sauditas terem ordenado a execução do clérigo xiita. Era homem de paz, não lutava armado. Na Rússia, jamais se aplicou pena de morte, nem nos piores tempos do terrorismo, nos anos 90s e 2000s. Por outro lado, tampouco foi adequado aquele ataque da multidão contra a embaixada da Arábia Saudita em Teerã.

BILD: Sr. presidente, uma última pergunta: quando a Rússia hospedou os Jogos de Inverno em 2014, houve muitas críticas referentes à própria democracia russa. O senhor espera debate semelhante, antes da Copa do Mundo FIFA-2018?

(Traduzindo sem parar por quase duas horas, o intérprete está exaurido. Ouvindo-o, tem-se a impressão de que traduzir a pergunta é empreitada dificílima. Surge daí uma rápida troca de ideias sobre os idiomas, alemão e russo.)

BILD: A língua russa lhe parece mais complicada que o alemão? 

Pres. Putin: O alemão é mais preciso. Mas o russo é mais versátil, mais colorido. Claro que a mesma riqueza se encontra nos grandes autores alemães.

(Espontaneamente, Putin põe-se a recitar em alemão:  Ich weiß nicht, was soll es bedeuten, warum ich so traurig bin. Ein Märchen aus alten Zeiten, das kommt mir nicht aus dem Sinn" [aprox. Não posso determinar o sentido / da tristeza que enche meu peito. / Uma fábula antiga que a atravessa, não me sai da cabeça]. É quase literalmente o início de Loreley, poema de 1924, de Heinrich Heine, um clássico da língua alemã. Mas Putin para de repente e, impassível, volta a falar em russo.)[1]

Pres. Putin:  Sobre a democracia na Rússia, minha opinião é que as potências gostam muito de falar sobre "liberdade", mas só como ferramenta de lavagem mental das próprias populações. Democracia significa que o povo tem poder e, por isso, pode influenciar o governo e o Estado; onde não seja assim, não há democracia. A Rússia teve longa experiência com sistema de partido único - e não retrocederemos para aquele tipo de coisa. Avançaremos, na direção de desenvolver e aperfeiçoar a nossa democracia. Até agora, já estão qualificados 77 partidos para concorrer às eleições parlamentares. Muitos governantes são eleitos em eleições diretas.

BILD: Mas as condições políticas na Rússia parecem diferentes do que se entende como democracia europeia.

Pres. Putin: Não existe modelo uniforme, global, de democracia. Quando se fala de democracia, são coisas diferentes de um país para outro. A noção é diferente na Índia, nos EUA, na Rússia ou na Europa. Nos EUA, por exemplo, duas vezes na história o presidente eleito foi alguém que recebeu menos votos diretos, um por cidadão, que o concorrente. Foi eleito pelos votos eleitorais. Significaria que os EUA não são democráticos? Claro que são. 

Quanto as tentativas de desmoralizar os esportes, os esportistas ou a Copa do Mundo na Rússia são os mesmos velhos e sujos jogos políticos: é movimento estúpido e errado. Ainda que os países tenham problemas entre eles, as artes e os esportes não devem ser atingidos. Artes e esportes existem para unir os povos, não para dividi-los.

BILD: Sr. presidente, muito obrigado por essa conversa. *****

[1] "Putin viveu em Dresden quando servia à KGB soviética nos anos 1980s, é falante fluente de alemão, e várias vezes falou com Merkel no idioma dela" (de "O ganso da Mamãe Gansa já assou", 18/5/2015, John Helmer, Moscou, Blog Dance with Bears, em redecastorphoto).
Postar um comentário