18 de abr de 2016

Malafaia diz que corrupção acabá se o PT sair do governo

Malafaia faz ‘profecias’ sobre fim da corrupção após PT e convoca ato evangélico
Silas Malafaia prepara "ato profético" para celebrar era pós-PT. Pastor pretende mobilizar caravanas de ônibus com evangélicos em direção a Brasília e promete revelar profecias sobre "fim da corrupção e da crise econômica" com o impeachment de Dilma


Apesar de ter sido vaiado na última vez que tentou discursar em um protesto contra Dilma Rousseff e Lula em Brasília, Silas Malafaia estará na capital federal nos próximos dias para defender o impeachment da presidente.

O pastor prepara um ‘ato evangélico-profético’ que deve mobilizar caravanas de fieis em direção ao Congresso Nacional. O objetivo, segundo Silas, é revelar profecias sobre o “fim da corrupção e da crise econômica” no Brasil.

“Quando Israel vivia períodos de crise, levantava um profeta que dizia que viriam tempos de paz e prosperidade. E aquilo tudo mudava. Então nós conhecemos esta prática”, disse o líder evangélico em entrevista à BBC Brasil.

De acordo com Silas, o ato deve acontecer quando a votação do impeachment estiver próxima de acontecer no Senado Federal. O pastor, portanto, dá como certa a aprovação do impedimento de Dilma pela Câmara dos Deputados.

Confira trechos da entrevista:

O que significa o termo profético?
Um ato profético é fazer declarações sobre o futuro de um país. Profecia é coisa que ainda vai se cumprir, correto? É algo que vai acontecer e que se antecipa. Nós vamos declarar que o Brasil vai ser próspero, vai ter paz e vai ficar livre da corrupção, da crise econômica. Isso tudo é profético.

Então sua profecia é que crise econômica e corrupção vão terminar junto com o governo.
Isso aí. É isso aí. É isso aí mesmo. O ato profético é para isso, é para declarar que a corrupção vai acabar, que toda a bandalheira vai ser exposta, que não vai ter derramamento de sangue, porque os ‘esquerdopatas’ têm o DNA da baderna, da desordem.

Não parece difícil bancar uma profecia de fim da crise econômica e da corrupção, pastor?
Não é difícil, não, rapaz. Na Bíblia, em épocas em que Israel vivia períodos de crise e fome, levantava um profeta que dizia que viria um tempo de paz e prosperidade. E aquilo tudo mudava. Então nós conhecemos esta prática. Agora, eu, além de liberar a palavra profética, vou ‘sacudir a roseira’ sobre o que está acontecendo, não tenha dúvida.

Se ninguém defende o governo em um ato sobre o futuro do país, o argumento religioso não pode parecer apenas retórico? O que diria a quem acredita que o discurso religioso mascara o objetivo político do ato?
Deixa eu ser bem honesto com você. O ato é uma convocação para fazermos uma oração pelo Brasil. Por isso falamos um ato profético em favor do Brasil. Se algum pastor falar alguma coisa (sobre o governo), a responsabilidade é dele. Eu não falo pelos evangélicos porque não tenho procuração. Se o ato fosse meu, eu diria: ‘Vamos pedir a cabeça de Dilma’. Como não é meu, não posso falar que vai ser um ato exclusivo (contra o governo). Uns 70 a 80% dos pastores vão se ater só à questão espiritual, vão bater na tecla de orar pelo Brasil.
Postar um comentário