26 de abr de 2016

Não reclamem do Restaurante Comunitário do Gama

Foto Joaquim Dantas/Arquivo
Ao que parece, não se pode reclamar de algum problema que esteja ocorrendo no Restaurante Comunitário do Gama 

Do Gama
Joaquim Dantas 
Para o Blog do Arretadinho

Nesta segunda-feira (25) eu recebi inúmeros telefonemas de usuários do Restaurante Comunitário do Gama reclamando que a quantidade de proteína servida estava muito menor do que a que deveria ser servido,

Me dirigi ao local para verificar se as reclamações procediam. No final da pista onde os alimentos são servidos, peguei o meu celular do bolso que estava no modo silencioso para ver uma mensagem que estava aguardando há horas, foi então que o funcionário que serve a proteína colocou mais dois pedaços de peixe no meu prato e gritou: "híííí, o cara tá filmando o almoço, tu é jornalista cara?", me indagou o rapaz completando "meu nome é Rodrigo", com ar de deboche.

Perguntei a ele se tinha alguma objeção se eu estivesse filmando e saí do local após dizer a ele que não era correto ele colocar mais comida em meu prato porque as outras pessoas pagaram o mesmo valor que eu e também tinham os mesmos direitos.

O mais absurdo de tudo ainda estava para acontecer. A falta de preparo do servidor do GDF que trabalha no restaurante e que deveria fiscalizar fatos como os que foram denunciados pelos usuários, é impressionante.

O servidor se aproximou da mesa em que eu estava e disse que eu não poderia filmar, sem ao menos ter certeza se eu havia filmado ou não, estava apenas influenciado pelo que o rapaz que disse se chamar Rodrigo havia dito. Detalhe, emoldurando esta cena estava um vigilante armado. Esta visão e a fala do cidadão me deixou extremamente irritado e resolvi não dar satisfação a ele, fui logo perguntando qual era a Lei que me proibia fotografar ali mas ele, demonstrando nervosismo, apenas repetia que "não pode porque não pode". Falei para ele então chamar a polícia e, como se não bastasse querer me intimidar com um vigilante armado, ele pegou o seu celular e ficou simulando ligar para alguém. Saí do local irritado e sob mais deboches do jovem rapaz que disse se chamar Rodrigo.

O fato é que este governo parece não admitir que se façam reclamações do que está errado, este mesmo servidor que me abordou ontem, já havia me abordado uma vez pedindo para procurá-lo quando alguma coisa estivesse errada, antes publicar alguma matéria. Há mais de dois meses eu reclamei com ele que a feijoada estava salgada, mas ele me respondeu que a empresa era nova e estava "se ada´tando". Oi? Como assim produção? Desde o começo do ano que a empresa administra o restaurante e, até três semanas atrás, a feijoada continuava salgada.

Vou repetir aqui o que já escrevi inúmeras vezes sobre este tema: O consumidor que frequenta o restaurante não paga apenas os R$ 3,00 cobrados na entrada, pagamos também a diferença desse valor com os impostos recolhidos aos cofres do GDF.
Postar um comentário