6 de abr de 2015

O Cantoria na reta final para a inauguração

A inauguração oficial será no próximo dia 12/04
O Cantoria, Blues e o Escambau está na reta final para a inauguração

Do Gama
Joaquim Dantas
Para o Blog do Arretadinho

O terceiro e último ensaio para a inauguração do Cantoria, Blues e o Escambau, aconteceu na tarde deste sábado (5), na Feira Permanente do Gama. Pessoas de várias localidades do Distrito Federal prestigiaram o ensaio.

O espaço foi idealizado pelo agitador cultural Manoel Messias Pretto, com a minha parceria nas misturas gastronômicas. A proposta é a de disponibilizar um local alternativo na cidade, onde as pessoas possam desfrutar da autêntica Música Popular Brasileira, MPB, saborear pratos da culinária brasileira e, de quebra, adquirir peças de artesanato, confeccionadas pelos artistas da Vila do Artesão do Gama.
Neste terceiro ensaio pudemos contar com a solidariedade musical de Jairo Mendonça, que montou todo o equipamento de som e brindou à todos com interpretações de músicas de sua autoria, como Canto Torto, de Edvaldo Santana e outros autores de MPB.
Manoel Pretto, ao centro, com amigos

Além de Jairo, Cleisson Batah, Jenis Bragança e Rênio Carvalho deram uma generosa canja musical, além do Cumpadi Anselmo, que declamou diversos "causos matutos".

Quem arrancou aplausos entusiasmados do público foi Manoel Pretto, que resolveu pegar seu violão e interpretou Receita de Mulher, de Juraildes da Cruz. Infelizmente não foi possível fazer um vídeo do Pretto interpretando a música de Juraíldes mas, para quem não conhece, basta conferir abaixo.

A inauguração do espaço está confirmada para o próximo domingo, 12/04, e já confirmaram presença Jairo Mendonça, Cleison Batah, Jenis Bragança, Cumpadi Anselmo, a Banda Destilados Blues, Júnior Canhoto e muitos outros músicos do Gama e do DF.

A surpresa do dia será a presentação da banda Rolo Cotidiano, formada por alunos do Ensino Médio do Gama. Segundo o professor Marco Antônio, orientador dos jovens, a base do trabalho da banda é o Rap, entretanto, fazem um som eclético.
O professor Marco Antônio e os seus alunos - Banda Rolo Cotidiano - Foto do Facebook

O trabalho de socialização dos jovens estudantes do Gama, realizado pelo professor Marco, deveria servir de exemplo para todos os professores da cidade. Um estudo feito por Juarez Dayrell, da Universidade Federal de Minas Gerais, aponta que os jovens rappers e funkeiros encontram poucos espaços nas instituições do mundo adulto para construir referências e valores por meio dos quais possam se construir como sujeitos. 

Os estilos rap e funk assumem uma centralidade na vida desses jovens por intermédio das formas de sociabilidade que constroem, da música que criam, e dos
eventos culturais que promovem.

Esses estilos possibilitaram e vem possibilitando a esses jovens práticas, relações e símbolos por meio dos quais criam espaços próprios, significando uma referência na elaboração e vivência da sua condição juvenil, além de proporcionar a construção de uma auto-estima e identidades positivas.

Segundo Juarez, nos últimos anos, e de forma cada vez mais intensa, podemos observar que os jovens
vêm lançando mão da dimensão simbólica como a principal e mais visível forma de comunicação,
expressa nos comportamentos e atitudes pelos quais se posicionam diante de si mesmos e da sociedade. 

Ele afirma que é possível constatar esse fenômeno nas ruas, nas escolas ou nos espaços de agregação juvenil, onde os jovens se reúnem em torno de diferentes expressões culturais, como a música, a dança, o teatro, entre outras, e tornam visíveis, através do corpo, das roupas e de comportamentos próprios, as diferentes formas de se expressar e de se colocar diante do mundo.

O estudo conclui que o mundo da cultura aparece como um espaço privilegiado de práticas, representações, símbolos e rituais no qual os jovens buscam demarcar uma identidade juvenil.  Nesse contexto, a música é a atividade que mais os envolve e os mobiliza. 

Grupo Rolo Cotidiano

Muitos deles deixam de ser simples fruidores e passam também a ser produtores, formando grupos musicais das mais diversas tendências, compondo, apresentando-se em festas e eventos, criando novas formas de mobilizar os recursos culturais da sociedade atual além da lógica estreita do mercado.

Confira a baixo a música Receita de Mulher, de Juraildes da Cruz, que fez tanto sucesso no terceiro ensaio na voz de Manoel Pretto. Como foi dito acima, não foi possível fazer um vídeo com a interpretação do Pretto, o vídeo abaixo é para os que não conhecem a música:



Receita de Mulher
Juraildes da Cruz

A mulher pra ser mulher
Não precisa desfilar na passarela
Mas sendo cheirosa, ajeitada
Eu tiro o chapéu pra ela

Se tiver o pé de anjo,
O cheiro de fruta, a pele macia
Se for manhosa, fogosa, carinhosa
Umbigo redondo e fundo
Que é pra beber água fria

Se tiver cintura de violão
A pisada leve que nem toca no chão
A boca de mel da cor de cereja
Que quando beija lampeja
E massageia o coração

Se tiver o sorriso de marfim
Tornozelo fino, ser dona do nariz
Os cabelos grandes, a palavra boa
Perfil de patroa e princesa que pede bis

Se tiver os olhos de lua cheia
No pé das orêia penuge de cana nova
Tem que ter bondade, sorriso que ilumina
Sonho de menina que todo dia renova

E o homem tem que ser homem,
Pra merecer
pois o homem só será
se a mulher deixar nascer
Postar um comentário