23 de ago de 2015

Combate à fome no Brasil é modelo para o mundo

Programas de combate à fome são modelo para o mundo, diz diretor da FAO 
Segundo José Graziano, diretor da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, expertise brasileira de inclusão social deu certo e passou a ser multiplicada em países da Ásia, da África e da América Latina

A experiência brasileira no combate à fome foi tema de reunião do ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, com o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), José Graziano, na quinta-feira (20). O diretor da agência da ONU salientou a importância da experiência brasileira no combate à fome no mundo.

“O Brasil mostrou que é possível vencer a fome, e esse é o grande ponto”, observou Graziano. “Quando começamos o programa de erradicação da fome, com o Fome Zero, muita gente falou que era uma forma política de distrair a atenção dos problemas econômicos e nós conseguimos erradicar a fome no Brasil em menos de uma década.”

Segundo Graziano, o modelo brasileiro é um exemplo seguido por diversos países. “É um programa que deu certo, multiplicado no mundo inteiro. Nós temos Fome Zero na Ásia, na África e na América Latina. E essas são cartas que temos para mostrar que o programa realmente foi um sucesso.”

A saída do Mapa da Fome
Criado em 2003, quando Patrus Ananias era ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), o Fome Zero surgiu para erradicar a fome no Brasil. Em 2014, o País registrou a maior queda de subalimentados entre 2002 e 2014, de 82,1%, e foi retirado do Mapa da Fome da agência da ONU.

Aquisição de alimentos 
Durante o encontro, Graziano ressaltou, ainda, a importância da manutenção do Programa de Aquisição de Alimentos África (PAA-África), baseado na experiência brasileira de combate à fome. “Esse é um programa que temos que dar uma grande atenção. Os recursos estão garantidos e vamos continuar tendo ele como referência de trabalho.”

De acordo com Patrus, “o PAA é um consenso entre os movimentos sociais. Todos o consideram de grande importância”.

Fonte:  Ministério do Desenvolvimento Agrário. Via blogdilmabr
Postar um comentário