19 de dez de 2015

Valdeci Moreira, um fazedor de arte

Valdeci Moreira de Souza
Foto Joaquim Dantas
Valdeci Moreira, um diretor de teatro do Gama que não mede esforços para fazer arte de qualidade
Do Gama
Joaquim Dantas
Para o Blog do Arretadinho

Desde sempre sabe-se que fazer Teatro no Brasil não é fácil, principalmente pela dificuldade que se tem de captar recursos, sejam eles públicos ou privados. Culturalmente não temos o hábito de frequentar as salas de teatro que, diga-se de passagem, são poucas e caras. É muito mais fácil captar recursos para a produção de um show de Wesley Safadão, que leva facilmente 20 mil pessoas para o estacionamento do Estádio Mané Garrincha, do que para produzir uma peça de teatro.

Agora, imagine o que é fazer teatro na cidade do Gama, distante cerca de 35 Km de Brasília, com as mesmas dificuldades encontradas nos grandes centros e produzir espetáculos belíssimos e de altíssima qualidade...

É o que faz o premiado diretor de teatro Valdeci Moreira de Souza, da Cia Semente de Teatro, há 7 anos no Gama. Em 2013, por exemplo, ele recebeu dois prêmios no Festival SESC de Teatro Candando no DF, com a peça Infinito Vazio.
Troféus recebidos em 2013 e 2015
Foto Joaquim Dantas
A peça ganhou prêmios em duas categorias, melhor direção e melhor iluminação. Segundo os produtores da obra "quando achávamos que estávamos prontos, tudo teve que ser adiado e mais uma vez estávamos vazios. Entre o cheio e o vazio surgiram textos, frases e pensamentos de Caio Fernando Abreu, Sida Oliveira, Gero Camilo e da própria Companhia, que fizeram com que o processo criativo transbordasse e se transformasse em um drama poético e desta forma o cheio e o vazio se completaram. Então nasceu o espetáculo poético musical “INFINITO VAZIO”."

E eis que Valdeci repete a dose em 2015, no mesmo Festival. Das 9 categorias, a peça Miguilim Inacabado, de Guimarães Rosa, foi indicada para 8 prêmios, inclusive para o de Ator Revelação para Matheus Trindade, que interpreta o Miguilim. Chegou ao final do certame com o prêmio de Melhor Figurino do Festival SESC de Teatro Candango.

Miguilim, segundo os produtores "é a criança dentro de cada um de nós: ora cercada pela alegria da vida, ora desafiada pela presença da morte; mas sempre aberta para a beleza do mundo – “Mutum é lindo”, como diz o protagonista".
Parte do cenário de Miguilim
Foto Joaquim Dantas
O que me impressiona, entretanto, é o pouco caso que os gestores públicos e o próprio Movimento Cultural da cidade, fazem com uma equipe vitoriosa e competente como a da Cia Semente de Teatro, que está levando o nome do Gama para além das fronteiras do Planalto Central, como foi o caso do espetáculo Vestida de Má, baseado na vida e obre de Alfoncina Storni, poetisa, escritora e feminista que viveu na Argentina nos anos 20 e 30, do século passado. 

A peça foi apresentada em Porto Alegre, Caxias, Curitiba e Rio de Janeiro no início de 2015.

Valdeci é um diretor criterioso e exigente, a produção de suas peças, antes da primeira apresentação, duram em média 1 ano e meio e ele já promete uma grande produção de uma obra nacional para 2017,  que certamente fará muito sucesso.

O local onde está instalada a Cia Semente de Teatro é um espaço público que ficou abandonado por quase 20 anos e após receber a concessão de uso da Administração Regional do Gama em 2014, Valdeci e sua equipe restauraram o local com recursos próprios e muita determinação.

O Espaço Semente está encerrando as suas atividades em 2015 com a presentação do Espetáculo Miguilim Inacabado, revertendo toda a bilheteria para ajudar na reconstrução do Ilé Oya Gaban, da Mãe Baiana, que foi destruído por um incêndio no Paranoá no mês passado.

O espetáculo que marcará o encerramento das atividades do Espaço Semente, será presentado neste sábado (19), às 20h, com preço único de R$ 20,00

Atravessaram o ano de 2015 com muitas dificuldades, mas terminam o ano com solidariedade. Axé, Guerreiro!

Peças expostas na parte externa do Espaço Semente:





Postar um comentário