5 de set de 2016

Cagou-se nas calças a nobre e douta animália

Janaína Paschoal pede que partidos desistam de ação do STF
“Se o impeachment for anulado, Dilma voltará o poder", diz advogada


Uma das autoras do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, Janaína Paschoal pediu, em sua conta no Twitter, que os partidos que ingressaram com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando o fatiamento da votação do processo no Senado desistam do recurso. Para a advogada, a questão coloca em risco todo o julgamento, que cassou na última quarta-feira (31) o mandato de Dilma.

“Eu peço, pelo amor de Deus, que quem já impugnou o julgamento do Senado, desista das medidas interpostas. Eu peço, pelo amor de Deus, que os partidos que ainda não impugnaram, não interponham nenhum tipo de medida”, tuitou Janaína.

Janaína disse que os senadores estão "cegos pela vaidade" e alerta que as 11 ações contra o fatiamento da votação protocoladas podem levar o Supremo a interferir na soberania do Senado Federal. As ações são dos partidos PSDB, DEM, PPS, PMDB e Solidariedade. “Se o impeachment for anulado, ainda que se marque novo julgamento, Dilma voltará imediatamente para o poder, pois terão passado os 180 dias”, relembrou a advogada.

Ao pedir para que partidos retirem e desistam de suas ações, Janaína, que é advogada, dá mais provas de que o processo de impeachment contra Dilma Rousseff teve motivações políticas, e não jurídicas. Pelo sistema de governo do Brasil, a destituição de um presidente da República não pode ter motivações políticas, ela só ocorre quando ficam provados crimes de responsabilidade.
Postar um comentário