14 de abr de 2017

Café com Galeano - Por Marcelo Pires

“Para os que concebem a História como uma disputa, o atraso e a miséria da América Latina são o resultado de seu fracasso.

 Perdemos; outros ganharam. Mas acontece que aqueles que ganharam, ganharam graças ao que nós perdemos: a história do subdesenvolvimento da América Latina integra, como já se disse, a história do desenvolvimento do capitalismo mundial. 

Nossa derrota esteve sempre implícita na vitória alheia, nossa riqueza gerou sempre a nossa pobreza para alimentar a prosperidade dos outros: os impérios e seus agentes nativos.

 Na alquimia colonial e neocolonial, o ouro se transforma em sucata e os alimentos se convertem em veneno. 

Potosí, Zacatecas e Ouro Preto caíram de ponta do cimo dos esplendores dos metais preciosos no fundo buraco dos filões vazios, e a ruína foi o destino do pampa chileno do salitre e da selva amazônica da borracha; o nordeste açucareiro do Brasil, as matas argentinas de quebrachos ou alguns povoados petrolíferos de Maracaibo têm dolorosas razões para crer na mortalidade das fortunas que a natureza outorga e o imperialismo usurpa. 

A chuva que irriga os centros do poder imperialista afoga os vastos subúrbios do sistema. 

Do mesmo modo, e simetricamente, o bem estar de nossas classes dominantes - dominantes para dentro, dominadas de fora - é a maldição de nossas multidões, condenadas a uma vida de bestas de carga.” 

(Eduardo Galeano, As veias abertas da América Latina)
Postar um comentário