13 de jun de 2017

Videomonitoramento do trânsito começa a funcionar no DF

Foto WhatsApp
Os Departamentos de Trânsito de todo o Brasil colocam em funcionamento o videomonitoramento do trânsito, mas MPF contesta.

De Brasília
Joaquim Dantas
Para o Blog do Arretadinho

Milhares de câmeras instaladas em vias de todo o Brasil já estão registrando inúmeras infrações de trânsito cometidas por motoristas, que não são possíveis de serem "flagradas" pelos agentes de trânsito.

Comer e fumar ao volante, passageiros sem usar o cinto de segurança, crianças no colo de passageiros, entre outras, são algumas das infrações que estão sendo registradas por essas câmeras. As multas são à partir de R$ 150,00.

Existem manifestações favoráveis a esta nova forma de fiscalização, que permite aos agentes de trânsito visualizarem detalhes no interior do veículo, graças a alta qualidade dos equipamentos, mas alguns setores da sociedade são contrários a este tipo de fiscalização.

O Ministério Público Federal, MPF, por exemplo, solicitou a suspensão das multas por videomonitoramento e a retirada das câmeras usadas para esse tipo de fiscalização. O pedido foi registrado em ação civil pública protocolada na Justiça Federal na segunda-feira (22/05).

A justificativa é a de que os equipamentos invadem a privacidade dos condutores, uma vez que permitem aos agentes observar o que ocorre dentro dos veículos. Isso, de acordo com a argumentação, “fere os direitos fundamentais da intimidade e da privacidade” como consta no Código Civil.

Invadir a privacidade de quem coloca a vida dele próprio e a de outros em risco, não me parece argumento justo para suspender esta forma de fiscalização, entretanto, a visão autoritária, discriminatória e elitista dos agentes públicos, historicamente reconhecida, parece-me que não deixa outra outra alternativa do que a proposta pelo MPF.

O debate está posto
Postar um comentário