27 de ago de 2015

Cardozo diz que armar a população é equívoco

Para José Eduardo Cardozo, arma não é  instrumento de defesa,
 mas de ataqueArquivo/Antonio Cruz/Agência Brasil
Armar a população para reduzir violência é equívoco, diz Cardozo no Facebook
O Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, respondeu nesta quinta-feira (27) a perguntas de internautas no Facebook, como parte do programa Dialoga Brasil, do governo federal. Em uma das respostas, Cardozo manifestou-se sobre uma possível revogação do Estatuto do Desarmamento. Segundo ele, "é um equívoco, demonstrado por estudos de segurança pública, afirmar que a criminalidade e a violência são reduzidas quando a população está armada".

"Arma não é instrumento de defesa, mas de ataque. Quando uma pessoa tenta se defender utilizando uma arma, na maior parte das vezes não só não coíbe a violência, mas também se torna vítima", disse o ministro. "Tenho uma posição, portanto, de absoluto convencimento, a partir de estudos científicos, que, em vez de armá-las, é fundamental desarmar as pessoas para combater a violência".

Cardozo acrescentou outros riscos na avaliação sobre porte de armas. "As pessoas sem antecedentes criminais, em momentos de desatino, cometem crimes violentos, matando esposas, maridos, filhos e outros. Também é sabido que armas são roubadas de cidadãos que não praticam crimes e servem a atos violentos. Do mesmo modo, é sabido que crianças pegam armas dos pais, ferem e matam".

O ministro acrescentou que informações falsas são espalhadas por lobbies de indústrias interessadas em ampliar seus mercados, "visando a obter lucros à custa da vida de seres 

O perfil do Dialoga Brasil chegou a postar uma foto do ministro em frente a um computador para "provar" que ele estava acompanhando e respondendo às perguntas.

"Sou eu mesmo. Afinal, seria absurdo se o ministro da Justiça incorresse em crime de estelionato...[risos]", publicou o Dialoga Brasil, em resposta a um internauta que questionou a presença do ministro.

Entre os temas mais perguntados, destacou-se a cobrança pela contratação de candidatos aprovados no concurso da Polícia Rodoviária Federal (PRF), feita por ao menos 30 internautas. O ministro reconheceu que são necessários mais homens e mulheres na PRF, mas afirmou que "evidentemente temos de estar sempre dentro das condições orçamentárias e financeiras".

"Estamos buscando a ampliação de efetivos da PRF no limite de nossas possibilidades orçamentárias e financeiras. Tudo que pode ser feito está sendo feito", disse a outro internauta.

Outro questionamento que se repetiu foi a respeito dos vazamentos de informações das investigações da Operação Lava Jato. Cardozo afirmou que "não cabe ao ministro orientar a Polícia Federal acerca de quem deve ou pode ser investigado". Cardozo esclareceu, entretanto, que o ministro deve determinar investigações "sempre que existir indícios de autoridades policiais que cometem ilegalidades e agem com abuso de poder".

"Temos inquéritos de processos disciplinares abertos por vazamentos ilegais e outros atos arbitrários que possam ter ocorrido em investigações. Essa é a postura que tenho por correta e que será adotada pelo ministro da Justiça enquanto couber a mim a direção da pasta", concluiu

da Agência Brasil
Postar um comentário