10 de set de 2015

Não sei se sonhei colorido

Não sei se sonhei colorido
Joaquim Dantas

Dormi e não sei se era noite
ou era dia,
mas alembrei-me de onde vim.
Eu vim da terra seca do Norte,
que depois virou Nordeste
e que ainda tem cabra da peste,
mamulengos e Eduins...

Terra que tem Ogãns
que atabacam
para os Pais Edus
nos castelos de Yemanjá.
Lugar onde eu propus
à toda alma de luz,
pra sempre se apaixonar...

Confeito de gazoza,
raspa-raspa
e figo de alemão,
com uma lapada de cana
na rua da consolação,
me levam ao túnel do tempo
nesse sonho-pensamento,
virtual recordação...

Mas esse povo que veve
cuspindo ódio e rancor, 
que nunca se apreciô
no Pátio de São Pedro
sentado, sozinho e cum mêdo
da força da repressão,
se acha todo bunito,
emocionalmente atingido 
pela tal corrupção.

Não sabem da missa um terço, 
do que aconteceu no começo,
dessa tal colonização...
Postar um comentário